02/01/2021

Como a Covid está reorganizando a economia global

Por wcalazans

De acordo com a OCDE, a economia da China será 10% maior até o final de 2021, do que era antes da pandemia de 2019, a economia dos EUA se manterá essencialmente, do mesmo tamanho, enquanto as economias da região do euro, do Reino Unido, O Japão e a Coréia do Sul verão um declínio até o final de 2021 em comparação com seus níveis pré-pandêmicos.

“A pandemia covid-19 está acelerando a mudança na economia mundial”, diz o The Economist. Está se tornando cada vez mais claro que “a pandemia levará a mudanças estruturais imensas na economia global: uma economia menos globalizada, mais digitalizada e menos igualitária”. As cadeias de abastecimento estão levando a produção para mais próximo das pessoas, para reduzir os riscos. Os trabalhadores de escritório continuarão trabalhando em suas casas pelo menos parte da semana. Os trabalhadores de serviços urbanos com salários mais baixos enfrentarão desemprego. O abismo entre Wall Street e Main Street aumentará. “O desafio para os governos democráticos será se adaptar a todas essas mudanças, mantendo o consentimento popular para suas políticas e para os mercados livres.

Há três áreas principais, as quais o The Economist afirma que as mudanças serão duradouras: globalização, digitalização e desigualdade.

Menos globalização

A pandemia não vai acabar com a globalização, mas vai reformulá-la”, diz a reportagem. “À medida que a pandemia se espalhou, a localização deixou de ter muita relevância. Não havia como escapar da doença: a economia mundial teve seu colapso mais profundo e sincronizado já registrado. A cadeia de suprimentos quebrou elos e expôs fragilidades. Para os negócios, foi mais uma evidência dos riscos de uma ruptura nos modelos estabelecidos. Para os governos, oferece mais razões para se voltar para dentro. O resultado foi a aceleração das mudanças para a globalização, que já estavam em andamento de forma mais lenta”.

As décadas de 1990 e 2000 foram verdadeiramente a era de ouro da globalização. O livro de Thomas Friedman, The World is Flat, de 2005, explica bem as principais forças que estavam achatando o mundo, – desde o crescimento explosivo da Internet até o aumento das cadeias de suprimentos globais.

Mas, a globalização já havia começado a desacelerar, na década de 2010, por uma série de razões, como a crescente competição enfrentada por empresas globais, as guerras comerciais e as tarifas dos últimos três anos, com a tarifa média sobre as importações americanas subindo para 3,4%, a mais alta em 40 anos.

A Covid-19 teve um impacto muito maior do que as interrupções anteriores da cadeia de suprimentos, como o surto de SARS em 2003 na Ásia e o desastre nuclear de Fukushima em 2011. Esses eventos foram muito mais localizados, duraram um tempo relativamente curto e impactaram principalmente a oferta, não a demanda, enquanto o covid-19 tem afetado a demanda do consumidor, bem como as cadeias de abastecimento, e provavelmente durará um pouco mais.

A história das cadeias de abastecimento é que elas não são robustas, mas são resilientes, porque as empresas são rápidas para encontrar soluções alternativas … Em vez de uma quebra no atacado, o covid-19 provavelmente causará uma aceleração das forças já em movimento. As empresas trocarão um pouco de eficiência por mais robustez, percebendo que, no longo prazo, a robotização da manufatura pode levar a aumento da produção. Os governos trabalharão para encurtar e diversificar as cadeias de abastecimento de equipamentos médicos.”

Maior digitalização

Como Rahm Emanuel disse em uma entrevista em 2008: “Você nunca deve desejar que uma crise séria vá para o lixo”. Com esse espírito, as empresas devem aproveitar as vantagens da crise da Covid para acelerar sua jornada em direção ao que quase todos concordam que será um futuro cada vez mais digital.

As infraestruturas digitais mantiveram as nações e as economias em funcionamento durante a pandemia, – o maior choque que o mundo já experimentou desde a Segunda Guerra Mundial. A Covid-19 agora promove a aceleração da taxa e do ritmo da transformação digital. As empresas provavelmente irão abraçar e dimensionar as mudanças que foram forçadas a fazer para ajudá-las a lidar com a crise.

Durante anos, as empresas encontraram todos os tipos de motivos para não adotar reuniões virtuais, trabalho de casa, telemedicina e outros aplicativos online. Mas, não apenas esses aplicativos online funcionaram muito bem, mas também oferecem uma série de benefícios importantes, – como não esperar por uma consulta médica em uma sala cheia de pessoas doentes e não ter que viajar horas para participar de uma reunião de 45 minutos.

A pandemia criou uma experiência muito interessante, observa o The Economist. “Em questão de semanas, os profissionais abandonaram seus escritórios e foram trabalhar em casa. As reuniões foram substituídas por chamadas pelo Zoom e os deslocamentos até o trabalho por mais horas de trabalho… Parece que as empresas e os trabalhadores descobriram repentinamente os benefícios do trabalho remoto. A tecnologia que permite isso não é nova.”

O trabalho remoto existe há décadas, mas decolou em meados da década de 1990 com o crescimento explosivo da Internet. Alguns até argumentaram que a Internet levaria ao declínio das cidades, porque a tecnologia estava tornando a localização cada vez menos relevante para nossos negócios e vida pessoal. Mas, em vez de declinar, a atividade econômica concentrou-se nas cidades superstars, que atraíram os mais talentosos e ambiciosos trabalhadores do conhecimento, cuja aglomeração levou ao aumento da produtividade, inovação, entretenimento e oportunidades educacionais, atraindo ainda mais e mais trabalhadores do conhecimento.

A pandemia estimulou as empresas a investir em tecnologias e aplicativos necessários para tornar possível a colaboração remota. “As empresas americanas preveem que a proporção de dias trabalhados em casa vai saltar de 5% antes do covid-19 para cerca de 20%, um número que condiz com o desejo médio dos trabalhadores. Parece provável que muitas empresas adotarão um modelo no qual um grande número de pessoas dividirá suas horas de trabalho entre o trabalho em casa e a colaboração no escritório.

Isso dificilmente acabará com cidades superstars ou acabará com os efeitos da aglomeração. As empresas precisam de escritórios para recrutar, integrar, monitorar desempenho, construir relacionamentos e disseminar conhecimento. Muitas pessoas, especialmente os jovens, ainda querem se reunir e compartilhar experiências, … E as nossas interações sociais ainda apelam para encontros presenciais. No entanto, tudo isso levará a mudanças estruturais significativas.”

Desigualdade crescente

A pandemia poderia deixar os mercados mais desiguais?”, é o tópico de outro artigo . “O crescimento do trabalho remoto é a mais recente iteração de um choque tecnológico de décadas … Ele contribuiu para duas características distintas da economia mundial: (1) o domínio das empresas que acumularam know-how, dados e propriedade intelectual, difíceis de replicar; e um declínio associado na parcela do PIB acumulada pelos trabalhadores nos salários (uma tendência que é mais evidente na América).”

A Covid-19 provavelmente aumentará a concentração da desigualdade do mercado. A maior dependência da tecnologia beneficiará empresas maiores, que têm melhores condições financeiras para fazer os investimentos necessários em automação, habilidades e treinamento da força de trabalho. E isso afeta desproporcionalmente as pequenas e médias empresas, muitas das quais, sem a capacidade financeira necessária para sobreviver. A onda de fechamento de empresas de pequeno e médio porte seguirá em alta e acelerará o domínio crescente de grandes empresas em vários setores.

Essa realocação da atividade econômica para as grandes empresas reduzirá a renda de uma parcela dos trabalhadores e levará a uma maior concentração da renda e ao aumento da desigualdade. As grandes empresas tenderão a pagar menores salários, enquanto criam uma parcela maior de lucros aos proprietários e investidores.

“Em cada década do século 20, a relação entre o estado e o indivíduo foi reforçada pelo fogo das crises”, comenta o artigo do The Economist, já na parte final. A depressão de 1930 levou ao New Deal; A Segunda Guerra Mundial foi seguida pela expansão dos serviços sociais para cidadãos e trabalhadores; e na década de 1980, Ronald Reagan e Margaret Thatcher reverteram as tendências do pós-guerra com sua filosofia neoliberal de supremacia do mercado e governo.

Antes da Covid-19, os grandes choques econômicos do século 21 foram – os avanços tecnológicos, a terceirização de empregos na indústria e a crise financeira de 2008 – que levaram a uma onda de ações políticas. “Em muitos países, os cidadãos mais velhos já sentem saudades de uma economia que, independentemente do que os governos façam, nunca vai voltar a ser como era. Os jovens estão frustrados com o declínio da mobilidade social e os altos preços dos ativos, e temem os efeitos das mudanças climáticas. Embora haja um debate acirrado sobre o quanto tudo isso nos afetará ao longo do tempo, quase todo mundo lamenta o aumento das desigualdades de renda, da riqueza e oportunidades.”

Em vez de tentar restaurar a economia de antes, os governos devem se adaptar às mudanças, garantir não expor as pessoas a perdas abruptas e procurar compartilhar os logros de forma mais ampla. Um mercado de trabalho digital global, impulsionado pelos investimentos das empresas em tecnologia, pode desencadear uma nova onda de inovação … 2020 pode marcar o início de uma era onde o populismo cai em declinio, enquanto a formulação de políticas econômicas sairá da rotina.”

Conte aos amigos