09/01/2021

Por que muitos projetos de Transformação Digital falham

Por wcalazans

Ou as empresas se transformam, ou morrem nas revoluções industriais”,

este é um texto do ex-executivo da P&G Tony Saldanha, em seu livro, Why Digital Transformations Fail (Porque Transformações Digitais falham).

A transformação digital é a tentativa da nossa geração, de se transformar, face a Quarta Revolução Industrial. No entanto, a triste verdade é que 70% de todas as transformações digitais ainda falham … um número chocante, dados os riscos extremamente altos”.

Porque tantos projetos falham?

Uma estratégia inadequada; pressões competitivas; tecnologia; talento; cultura… Embora todos esses fatores sejam importantes,

A resposta surpreendente para o fracasso das transformações digitais é a falta de disciplina em definir e executar os passos certos para que as transformações digitais ocorram”,

observa Saldanha,

Em um artigo de 2015, Klaus Schwab, – fundador e presidente executivo do Fórum Econômico Mundial, – posicionou a Quarta Revolução Industrial dentro do contexto histórico de três revoluções industriais anteriores.

A primeira, – começando no final do século 18, – foi impulsionado por inovações como a máquina a vapor e marcou a evolução de uma economia agrária para uma economia industrial.

A segunda, – um século depois, – era movido por aço, eletricidade, motor de combustão e técnicas de produção em massa.

A terceira, – começando na década de 1960, – viu o advento dos computadores digitais, TI, Internet e a automação de processos em quase todos os setores.

A quarta, – impulsionado por tecnologias digitais cada vez mais difundidas e baratas, – está juntando os limites entre os mundos digital, físico e biológico, levando a uma ampla ruptura econômica e social.

Saldanha define transformação digital como “A migração de empresas e sociedades da Terceira para a Quarta Revolução Industrial. Para as empresas, isso significa ter a tecnologia digital se tornando a espinha dorsal de novos produtos e serviços, novas formas de operação e novos modelos de negócios.

Para deixar claro que a falta de disciplina é a causa subjacente das falhas de transformação digital, Saldanha observa que 99,999999% das decolagens e pousos de aeronaves são bem-sucedidos, em comparação com apenas 30% das transformações digitais. Claramente, os esforços de transformação digital envolvem muito mais do que decolagens e pousos de aviões – mas serve para dar o contexto.

“… muito trabalho árduo foi realizado ao longo de décadas para estruturar o que eram tarefas baseadas em julgamento e rotinas simples, em tecnologias aplicadas para automatizar muitas dessas tarefas. E o que não foi automatizado, passou a fazer parte de uma tarefa de execução previsível.”

O livro apresenta um modelo de transformação digital em cinco estágios. Um roteiro passo a passo e rigoroso para ajudar a orientar as empresas durante seu processo de transformação. Seguindo a analogia do setor de aviação, cada estágio é acompanhado por duas disciplinas específicas para ajudar a lidar com os riscos potenciais e aumentar as chances de sucesso.

Aqui está um resumo de cada um dos cinco estágios e suas disciplinas associadas.

Etapa 1 – Fundação.

Este estágio fornece a base digital necessária para a transformação futura. A empresa precisa atualizar sua tecnologia, para plataformas digitais mais recentes, automatizar ativamente os processos internos, – como por exemplo, vender, fabricar, financiar – e digitalizar suas operações.

Disciplinas do estágio 1:

  • Propriedade comprometida com a estratégia nos níveis mais altos. O CEO, os executivos seniores e os membros do conselho devem apoiar e nutrir visivelmente a estratégia digital emergente.
  • Execução iterativa para evitar grandes falhas de implementação. Uma estratégia digital requer uma metodologia de execução ágil e iterativa para reduzir o risco de falhas, especialmente em seus estágios iniciais.

Estágio 2 – Inovação em silos.

Nesse estágio, funções individuais ou negócios começam a abraçar tecnologias disruptivas para criar novos produtos, processos ou modelos de negócios. Esses esforços são isolados, sem que haja uma estratégia de transformação para toda a empresa.

Disciplinas do estágio 2:

  • Empoderamento de líderes de transformação. Os líderes de transformação devem ter liberdade para articular objetivos ambiciosos, assumir riscos e aprender fazendo.
  • Identificação de opções de alavancagem digital. Todas as possibilidades potenciais de alavancagem digital devem ser examinadas, incluindo novos modelos de negócios, produtos, processos e operações disruptivos.

Etapa 3 – Transformação parcialmente sincronizada.

Os líderes reconhecem o poder das tecnologias digitais e definem um futuro estado digital. A empresa agora tem uma mistura de produtos, processos e modelos de negócios novos e antigos. No entanto, não há infraestrutura digital geral ou cultura de inovação sustentável o suficiente para desenvolver raízes fortes em toda a organização.

Disciplinas do estágio 3:

  • Modelo de gerenciamento de mudanças para transformar efetivamente a organização. A empresa e principalmente as pessoas devem estar concentradas em gerenciar as mudanças organizacionais e culturais necessárias, que geralmente é a fase mais difícil de qualquer transformação disruptiva.
  • Seleção de transformação sistêmica. Gere várias alternativas potenciais e, em seguida, selecione algumas transformações sistêmicas para uso por toda a empresa.

Etapa 4 – Transformação totalmente sincronizada.

Uma infraestrutura digital pronta, requer um novo modelo de negócio e / ou cultura de inovação enraizada em toda a organização. Embora a empresa ainda já esteja entregando resultados para os clientes, através de produtos digitais inovadores e melhor eficiência operacional, a transformação está a um passo de uma grande mudança ser interrompida.

“A única maneira de sobreviver às ameaças de interrupção é tornar os recursos digitais, uma cultura inovadora ágil, integrada e contínua da empresa.”

Disciplinas do estágio 4:

  • Reiniciar os recursos técnicos digitais na função de TI e em toda a empresa. Criar uma estratégia e um plano concreto para lidar com a requalificação das pessoas para a era digital.
  • Estar atualizado com o cenário de tecnologia em rápida evolução. Aproveite pesquisas de ponta, startups e ecossistemas abertos para se manter atualizado sobre inovações potencialmente disruptivas.

Etapa 5 – DNA vivo.

A etapa final do roteiro é onde a transformação se torna sustentável. A empresa agora se tornou uma empresa inovadora, disciplinada e líder do setor.

A operação digital é o seu DNA. Você é o líder de mercado em constante evolução. Você opera totalmente digital. Sua força de trabalho tem experiência digital. Você fornece valor criativo extremamente personalizado aos clientes. Você tem o modelo de negócios mais inovador. E sua transformação é totalmente sincronizada e contínua. Você mantém a liderança contínua das tendências do setor com inovação disciplinada. Você está um passo além de ser um líder de mercado; você é um líder de mercado disciplinado, alavancando constantemente o digital.”

Disciplinas do estágio 5:

  • Cultura ágil para apoiar a evolução constante do negócio e da organização. Três comportamentos específicos são necessários para criar tal cultura ágil: um foco implacável na inovação de mercado, um espírito de evolução contínua e um propósito comum compartilhado;
  • Abordar os riscos potenciais de interrupção digital de forma contínua. Perceber os riscos para a empresa e reagir a eles de maneira disciplinada.

Ao longo do livro, Tony Saldanha nos lembra que

“O motivo do fracasso das transformações digitais é que exigem mais disciplina do que se poderia esperar … A tecnologia e os modelos de mudança estão disponíveis.

A convicção e a mentalidade para prosperar nesta era pertencerão aos líderes individuais, como sempre foi, ao longo da história”.

Conte aos amigos