10/01/2021

A rede social é o computador

Por wcalazans

“O ser humano é uma espécie social”. Escrito pelo professor do MIT, Sinan Aral, em seu livro The Hype Machine.

“Temos nos comunicado, cooperado e coordenado uns com os outros desde que estávamos caçando e coletando”.

Nossas interações sociais cada vez mais complexas têm sido o fator crítico no aumento exponencial da capacidade craniana humana nos últimos milhões de anos.

“Mas hoje algo está diferente. Durante a última década, apagamos nosso fogo ardente da interação humana. Construímos uma máquina que abrange o globo e conduz o fluxo de informações, opiniões e comportamentos através da sociedade.”

O professor Aral estuda as mídias sociais desde seu início, nos anos 2000, quando ainda era movida pela visão idealista de conectar o mundo e fornecer acesso gratuito à informação.

A Hype Machine é o que o professor agora chama de nosso ecossistema global de mídia social. Este ecossistema foi completamente projetado para estimular e manipular a psique humana,

“para nos atrair e nos persuadir a mudar a forma como fazemos compras, como votamos, como nos exercitamos, e até mesmo quem amamos”.

Seu livro explica muito bem como funciona o complexo mundo da mídia social, como nos afeta e o que podemos fazer para ajudar a alcançar sua visão original, evitando certos perigos. Aqui estão alguns pontos chaves para reflexão e discussão.

A rede social é o computador

“Durante anos, o slogan The Network Is the Computer foi usado como marketing pela Sun Microsystems, – atualmente adquirida e incorporada à Oracle, – para enfatizar que na era da Internet, os sistemas e aplicativos em rede eram muito mais poderosos do que qualquer computador individual.

O professor Aral conta que, em uma visita à sede do Facebook, em Menlo Park, um mural particular chamou sua atenção, então ele tirou uma foto com seu smartphone e toda vez que ele tentava entender o funcionamento interno da Hype Machine, a imagem do mural sempre vinha à mente. Dizia simplesmente que a ‘A rede social é o computador’.

Para o Facebook, esse era um slogan razoável. “Mas para mim, o mural tinha um significado mais profundo”, disse Aral.

“Ele descreveu uma visão de mundo em que a sociedade é essencialmente um gigantesco processador de informações, movendo ideias, conceitos e opiniões de pessoa para pessoa, como os neurônios no cérebro ou nós em uma rede neural, disparando sinapses em cada nó na forma de decisões e comportamentos – sobre produtos, compras, em quem votar ou com quem namorar – bilhões de vezes por minuto, todos os dias.

Se a rede social é o computador, qual é sua arquitetura subjacente?; como ela funciona?; e como isso influencia nosso comportamento?

As três Tecnologias

Três tecnologias tornam a Hype Machine possível, transformando a forma como a informação é produzida e consumida: (1) redes sociais digitais, (2) inteligência de máquina e (3) smartphones.

A rede social digital é a parte essencial no núcleo da máquina, a arquitetura subjacente que determina como a informação flui. As redes sociais viram um crescimento explosivo desde seu início, com a Web 2.0, há cerca de 20 anos. De acordo com o Our World in Data, o Facebook cresceu de 100 milhões de usuários em 2008 para 2,4 bilhões em 2019; O YouTube cresceu de 20 milhões de usuários em 2006 para cerca de 2 bilhões em 2019; e WhatsApp de 300 milhões de usuários em 2013 para cerca de 2 bilhões. Por trás desses três líderes está outro conjunto de redes sociais de rápido crescimento, incluindo Instagram, WeChat, Tumblr, TikTok, Redditt e Twitter. As redes sociais agora são usadas por uma em cada três pessoas no mundo e por mais de dois terços dos usuários da Internet. A rede social realmente se tornou o computador.

A inteligência de máquina, a segunda tecnologia, é o processo que controla quais informações fluem pela rede e como são distribuídas ao redor do mundo. Depois de décadas de promessa e exagero, a inteligência de máquina finalmente atingiu um ponto crítico de aceitação de mercado graças aos avanços em algoritmos de aprendizado de máquina, tecnologias de computador poderosas, baratas e de acesso a grandes quantidades de dados, incluindo dados sobre o comportamento humano. A interação cíclica entre a máquina e a inteligência humana determina o tipo de conteúdo, quais histórias e imagens vemos, sugestões sobre possíveis colegas, bem como os anúncios exibidos ao lado do conteúdo. A Hype Machine então observa como consumimos essas informações e como tomamos decisões, aprendendo do que gostamos, sobre o que pensamos, para que as sugestões subsequentes sejam ainda mais envolventes.

Os smartphones formam o meio. São os dispositivos de entrada / saída para interagir com a Hype Machine. Com cerca de 3,5 bilhões de usuários em todo o mundo, os smartphones são, de longe, os principais dispositivos para interagir com as mídias sociais, um ambiente sempre ativo por meio do qual as informações são fornecidas e recebidas da Hype Machine. Outros dispositivos também podem incluir este meio, como os headsets de realidade virtual e realidade aumentada, os assistentes virtuais domésticos e tecnologias vestíveis.

O Hype Loop

O Hype Loop é o motor da Hype Machine, – um loop de feedback em constante evolução com quatro componentes.

No coração do Hype Loop estão seus dois elementos fundamentais: inteligência da máquina e comportamento humano. Os dois estão intimamente interligados pelo loop de sentido e sugestão que estrutura como a inteligência da máquina influencia o comportamento humano, e o loop de consumir e agir que determina como a ação humana, nossa resposta às recomendações da máquina, influencia o que a máquina faz em seguida.

Deixe-me descrever brevemente cada componente.

Inteligência de máquina. A inteligência da máquina analisa o que está acontecendo dentro da Hype Machine para otimizar seus objetivos gerais, como maximizar o envolvimento ou aumentar a audiência.

“A máquina ingere o que postamos, como lemos, quem seguimos, como reagimos ao conteúdo que vemos e como tratamos uns aos outros. Em seguida, analisa esses dados para exibir novo conteúdo, sugestões de amigos e anúncios que maximizam os objetivos específicos.”

Temos a tendência de escolher entre as sugestões da máquina porque não temos tempo ou atenção para pesquisar de forma mais ampla.

“Ao nos fornecer um conjunto de opções com curadoria de algoritmos, a tecnologia nos permite e nos restringe. Desta forma, a Hype Machine influencia o que lemos, quem são nossos amigos, o que compramos e até mesmo quem amamos.”

Loop de senso e sugestão. A máquina, então, detecta nosso comportamento com base nas enormes quantidades de informações postadas e consumidas nas redes sociais a cada minuto de cada dia, – por exemplo, o que lemos, os vídeos que assistimos, de quem somos amigos, o que compramos. Depois de analisar todas essas informações, ela faz sugestões que nos empurram nas direções que maximizam seus objetivos globais.

“As principais plataformas de mídia social usam redes neurais de aprendizagem profunda para analisar os textos que digitamos, o áudio que falamos e as expressões faciais e posições corporais em nossas fotos e vídeos para entender o que estamos fazendo, no que estamos interessados, o que nos deixa felizes ou tristes e como as coisas que nos motivam estão relacionadas ao nosso envolvimento, padrões de compra e conectividade.”

Comportamento humano. A tecnologia é uma parte importante, como vimos até aqui. Mas o comportamento humano também é – como respondemos aos posts e às recomendações da máquina.

“Embora a Hype Machine ajude a criar nossa realidade, somos nós que, em última análise, nos apropriamos e agimos com base nessa tecnologia. A ação humana molda as entradas que máquinas analisam para sugerir novas alternativas. Nosso comportamento – o que postamos, o que lemos, como fazemos amigos e como nos comunicamos e interagimos uns com os outros – molda como a Hype Machine interpreta o que queremos da tecnologia e como queremos viver e ser tratados.”

Loop de consumir e agir. Enquanto as máquinas tentam estruturar nossa realidade, os humanos são responsáveis por consumir e agir de acordo com essas sugestões.

“O loop de consumir e agir é o nosso processo de transformar recomendações em ações e alimentar os comportamentos, reações e opiniões resultantes na Hype Machine.”

“Tem havido muito debate sobre como a Hype Machine influencia, polariza e nos incita”, escreve Aral.

“Mas é importante lembrar que nós (ainda) controlamos como reagimos e usamos as mídias sociais. As normas que desenvolvemos como sociedade desempenham um papel importante em nosso relacionamento com esta tecnologia, e uma visão linear da tecnologia, como apenas nos impactam, remove nossa ação e nossa responsabilidade de considerar como nossa apropriação da tecnologia contribui para os resultados que estamos experimentando … ”

“Uma coisa que aprendi, em vinte anos pesquisando e trabalhando com mídia social, é que essas tecnologias têm potencial para uma promessa excepcional e também podem representar um perigo imenso – e nem o lado bom e nem o lado ruim são garantidos. A mídia social pode oferecer uma onda incrível de produtividade, inovação, bem-estar social, democratização, igualdade, saúde, positividade, unidade e progresso. Ao mesmo tempo, ela pode, se não for controlada, desferir golpes mortais em nossas democracias, nossas economias e nossa saúde pública. Hoje estamos em uma encruzilhada dessas realidades.”

Conte aos amigos