Medindo a economia digital

A professora de CambridgeDiane Coyle, no workshop anual do Stanford Digital Economy Lab, fez uma interessante apresentação sobre O que não sabemos sobre como medir a economia digital? A professora Coyle, é também pesquisadora associada do Centro de Excelência em Estatísticas Econômicas do Reino Unido. Em 2017, ela recebeu o Prêmio Índigo sobre como medir a atividade econômica na economia digital por seu ensaio Fazendo o futuro valer, em coautoria com Benjamin Mitra-Kahn.

O PIB captura apenas transações de mercado ao preço de troca, e não os ganhos de bem-estar, externalidades, meio ambiente, distribuição de riqueza ou inovação que ocorrem em uma economia”, escreveram os autores. “Por isso, desde sua criação na década de 1940, tem sido criticado por sua incapacidade de capturar o bem-estar econômico. Agora, as mudanças na economia, sendo reestruturadas pela tecnologia digital e pagando o preço do crescimento insustentável, tornam a necessidade de uma nova estrutura de medição mais urgente do que nunca. O PIB nunca foi uma medida ideal de bem-estar econômico.

O Produto Interno Bruto (PIB) tornou-se a medida internacional aceita de economias na década de 1940. Embora seja uma boa medida para a economia industrial do século 20, o PIB é uma medida falha para a economia do século 21. Foi adequado quando a economia era dominada pela produção de bens físicos, mas o PIB não captura adequadamente a crescente parcela de serviços e outros ativos intangíveis que agora caracterizam economias avançadas. Tampouco reflete atividade econômica importante além da produção, como renda, consumo e padrões de vida.

Em 2008, uma Comissão de Medição de Desempenho Econômico e Progresso Social liderada pelos economistas ganhadores do Prêmio Nobel Joseph Stiglitz e Amartya Sen foi convocada para analisar os limites do PIB como um indicador de desempenho e progresso econômico.

O que medimos afeta o que fazemos; e se nossas medições forem falhas, as decisões podem ser distorcidas.” disse seu relatório.

A Comissão recomendou complementar as medidas clássicas do PIB e da produção econômica com medidas adicionais que capturassem o bem-estar das pessoas e a sustentabilidade de longo prazo para ajudar a refletir a evolução da economia no futuro.

Outro conjunto de preocupações surgiu nas últimas duas décadas. Como se mede o valor das quantidades crescentes de bens de informação gratuitos disponíveis na Internet, incluindo artigos da Wikipédia, mapas do Google, interações no Facebook, aplicativos para smartphones e vídeos do You Tube?

Em uma palestra de 2012, Why it Matters that the GDP Ignores Free Goods, o professor de Stanford Erik Brynjolfsson observou que, apesar de gastar mais tempo consumindo e desenvolvendo bens digitais do que nunca, as estatísticas oficiais do governo não incluem seu valor.

Obviamente, há alguns grandes problemas de medição na maneira como mantemos nossas estatísticas, e isso é um problema real porque, como diz o ditado, você não pode gerenciar o que não mede”, disse ele.

O problema é que o custo marginal de entrega de produtos digitais pela Internet é bem próximo de zero. Enquanto em alguns casos seu modelo econômico é baseado na publicidade, em muitos casos os usuários contribuem com seu tempo e desenvolvem conteúdo digital à toa. As informações on-line podem ser atualizadas a cada minuto do dia e acessíveis em quase qualquer lugar do mundo, mas seu preço geralmente é radicalmente menor do que o de sua contraparte física – se houver um preço.

A tecnologia digital está criando novos bens e serviços diretamente e está levando à inovação do modelo de negócios em toda a economia (serviços de streaming de música, plataformas de acomodação, serviços da manufatura, produção voluntária de bens digitais, como software de código aberto e muito mais), escreveram Coyle e Mitra-Kanh em seu ensaio. “Os governos democráticos modernos em economias digitais não precisam de uma estatística projetada para medir a capacidade produtiva física em tempos de guerra.”

Os autores recomendam um plano de duas etapas para reformar as medidas econômicas.

Alterações simples ao PIB

O primeiro estágio envolve três mudanças relativamente diretas no PIB no curto prazo: contabilizar adequadamente os intangíveis; remover investimentos financeiros improdutivos; e ajustes para distribuição de renda.

Ativos intangíveis. Os ativos tangíveis são principalmente físicos, – como veículos, terrenos, plantas, equipamentos e móveis; eles também incluem ativos financeiros com um valor concreto, como ações, títulos, contas a receber e dinheiro. Os ativos intangíveis não são físicos nem possuem valor financeiro concreto. Eles incluem patentes, direitos autorais, marcas registradas, boa vontade, valor da marca, capital humano, P&D, software e dados. Apesar de não terem existência física, os intangíveis possuem um valor monetário, pois representam uma receita potencial, mas esse valor deve ser estabelecido com base em princípios contábeis. E, ao contrário dos ativos tangíveis, os intangíveis são difíceis de avaliar e segurar.

O valor dos ativos intangíveis aumentou significativamente nas últimas décadas. De acordo com um relatório de 2019 do Ponemon Institute, em 1975, o valor total do S&P 500 era de US$ 715 bilhões, dos quais 17% eram intangíveis. Em 1985, de um valor total de US$ 1,5 trilhão, 32% eram intangíveis. Em 1995, as porcentagens mudaram, com os intangíveis agora sendo 68% de US$ 4,6 trilhões. Os valores intangíveis continuaram a subir para 80% de US$ 11,6 trilhões em 2005; e para 84% de US$ 25 trilhões em 2018.

Finanças produtivas e improdutivas. Tradicionalmente, o dinheiro é economizado em bancos que, por sua vez, investem o dinheiro na chamada economia real. No entanto, enquanto os poupadores ainda colocam seu dinheiro em instituições financeiras, essas instituições têm criado cada vez mais ativos financeiros, como títulos, hipotecas, derivativos e empréstimos interbancários.

Isso é um problema para medir o desempenho econômico, pois os lucros que os bancos obtêm … são contados como parte do PIB – mas não são investimentos em capital produtivo, mas em capital financeiro.” Transações financeiras dessa natureza “devem ser revertidas, pois é difícil ver a atividade das instituições financeiras entre si como produtiva”.

Sociedades desiguais. O crescimento econômico geralmente é relatado em medidas como PIB total e PIB per capita, – calculados pela divisão do PIB de um país por suas populações -, que obscurecem o desempenho da economia em diferentes segmentos da população.

É necessário um foco na distribuição. As agências estatísticas poderiam facilmente tornar o PIB per capita médio o número padrão comunicado à imprensa e regulares. O uso do valor mediano removeria rapidamente os vieses de relatar o crescimento econômico em países com distribuição desigual de renda.”

As rendas medianas e médias divergiram significativamente em alguns países desenvolvidos, como os EUA.” como mostra este gráfico, o PIB por domicílio – uma medida da renda média total por domicílio – aumentou cerca de 55% entre 1985 e 2016, enquanto a renda média por domicílio aumentou apenas 20% no mesmo período, refletindo a tendência para uma maior desigualdade.

Uma nova estrutura de longo prazo

A segunda etapa da recomendação propõe uma estrutura alternativa para medir a economia que substitui o PIB por um painel de ativos que mede “o acesso à gama de ativos econômicos que as pessoas precisam para levar uma vida significativa como a concebem”. Tal estrutura requer a medição de seis tipos de ativos econômicos:

Capital Físico e Produzido. Isso inclui a infraestrutura, por exemplo, de transporte, redes de energia, redes de comunicações, bem como a outros bens públicos e novas tecnologias.

Capital humano. “As medidas de capital humano olham para as qualificações educacionais – uma medida bastante grosseira de habilidades e atributos relevantes – e usam os ganhos de mercado para avaliar o capital humano representado por um determinado nível de qualificação, como ponto de partida para contabilizar as habilidades das pessoas e acesso a treinamentos.”

Capital natural. Isso inclui os recursos renováveis fornecidos pela natureza, e demarcados por direitos de propriedade ou comuns, bem como medições de outros componentes, como externalidades.

Propriedade Intelectual e Dados. “Há pouca coleta de dados sobre dados ou sobre o valor total da propriedade intelectual, embora as empresas gastem grandes somas nesses investimentos.

Capital Social e Institucional. Isso inclui o grau de confiança que afeta os custos de transação da troca econômica e a provisão viável de bens públicos.

Ativos Financeiros Líquidos. Isso inclui os passivos contingentes do governo de promessas futuras, como pensões e pagamentos de passivos financeiros públicos.

O PIB concentrou as economias ocidentais do pós-guerra (e além) na maximização da produção de bens e serviços a partir do uso atual de recursos”, escrevem os autores em conclusão. “O futuro tem peso estatístico zero. O PIB ignorou os indivíduos e a geografia. Muitos grupos da sociedade e lugares têm sido invisíveis nos debates políticos.

A alternativa de longo prazo que propomos, motivada pela gama de ativos necessários para maximizar as capacidades dos indivíduos para levar a vida que gostariam de levar, teria contado uma história diferente sobre o passado recente. Teria pintado um quadro ainda mais dividido do que o atual: grandes melhorias, no balanço, para pessoas com diplomas e acesso a novos serviços digitais, morando em áreas bem servidas por infraestruturas; e a deterioração geral, para aqueles que deixaram a escola com poucas qualificações, não tendo acesso à banda larga rápida ou mesmo trens rápidos e vivendo em áreas próximas a locais poluídos e com poucos espaços verdes. Apesar de todos os benefícios das novas tecnologias, atuais e futuras, não haveria complacência com a economia”.

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias