Mundo à frente e novas realidades

Há algumas semanas, The Economist publicou The World Ahead 2022, sua 36ª análise anual das tendências econômicas, políticas, sociais e culturais que provavelmente moldarão 2022.

Se 2021 foi o ano em que o mundo virou a maré contra a pandemia, 2022 será dominado pela necessidade de adaptação às novas realidades, tanto nas áreas remodeladas pela crise (o novo mundo do trabalho, o futuro das viagens) como  as tendências se reafirmam (a ascensão da China, a aceleração das mudanças climáticas)”, escreveu o editor da edição, Tom Sandage.

Estas são as dez principais tendências do The World Ahead 2022:

1. Democracia x autocracia. “As eleições de meio de mandato da América e o congresso do Partido Comunista da China contrastarão vividamente seus sistemas políticos rivais.

2. De pandemia a endemia. “Para as pessoas vacinadas no mundo desenvolvido, o vírus não será mais uma ameaça à vida.  Mas ainda representará um perigo mortal no mundo em desenvolvimento.

3. A inflação preocupa. “Interrupções na cadeia de suprimentos e um aumento na demanda de energia aumentaram os preços. Os bancos dizem que é temporário, mas nem todos acreditam neles.”

4. O futuro do trabalho. “Há um amplo consenso de que o futuro é ‘híbrido’ e que mais pessoas passarão mais dias trabalhando em casa.

5. O novo techlash. “Os reguladores na América e na Europa tentam controlar os gigantes da tecnologia há anos, mas ainda não conseguiram afetar seu crescimento ou lucros”.

6. Criptos crescem. “Como todas as tecnologias disruptivas, as criptomoedas estão se adaptando, à medida que os reguladores ajustam as regras.

7. Crise climática. “Incêndios florestais, ondas de calor e inundações continuam aumentando em frequência, uma impressionante falta de urgência prevalece entre os formuladores de políticas quando se trata de combater as mudanças climáticas.”

8. Problemas de viagens. “A atividade está aumentando à medida que as economias reabrem… Enquanto isso, metade das viagens de negócios se foi para sempre.

9. Corridas espaciais. “2022 será o primeiro ano em que mais pessoas vão ao espaço como passageiros pagantes do que funcionários do governo, transportados por empresas rivais de turismo espacial.

10. Os jogos políticos. “Os Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim e a Copa do Mundo de Futebol no Catar serão lembretes de como o esporte pode unir o mundo – mas… muitas vezes acabam sendo apenas jogos políticos”.

Vou comentar brevemente três dessas tendências.

O novo local de trabalho híbrido precisa de um planejamento cuidadoso

Maior produtividade, trabalhadores mais felizes e saudáveis e emissões mais baixas de poluentes são apenas alguns dos benefícios da grande experiência de trabalhar em casa”, disse The Economist, observando que a grande maioria dos trabalhadores do conhecimento e a maioria dos empregadores são agora a favor de alguma versão de trabalho híbrido.  Essa maior flexibilidade nos arranjos de trabalho pode se tornar um dos legados mais importantes e duradouros da crise do Covid.

Em abril de 2021, os economistas Jose Maria Barrero, Nicholas Bloom e Stephen J. Davis publicaram Why Working from Home Will Stick, uma pesquisa sobre arranjos de trabalho e preferências pessoais durante a pandemia; e das preferências dos trabalhadores e planos dos empregadores após o término da pandemia. A pesquisa descobriu que:

  • 45% dos que trabalhavam em março de 2021 o faziam em casa;
  • 50% de todos os dias úteis de maio de 2020 a março de 2021 foram trabalhados de casa, cerca de 10 vezes a era pré-pandemia.
  • Após o Covid, – de 2022 em diante, quase 80% dos trabalhadores cujos empregos lhes permitiam trabalhar em casa, querem fazê-lo pelo menos um dia por semana;
  • Quase 40% preferem 1 a 3 dias por semana; e
  • cerca de 30% querem trabalhar em casa a semana toda.
  • Por outro lado, os empregadores esperam que 21% dos dias de trabalho sejam em casa.

Mas, embora cada vez mais popular, esse novo local de trabalho híbrido provavelmente será “uma mistura confusa”, alerta The Economist.  “Deixado desenvolver-se organicamente, é mais provável que exacerbe as desigualdades, do que as reduza… porque os trabalhadores têm preferências diferentes sobre o trabalho de escritório, e essas diferenças não são distribuídas aleatoriamente. Dada a escolha, mulheres, outras minorias e pais com filhos pequenos, passarão menos tempo no escritório”. Esses provavelmente pagarão um preço por tal escolha, perdendo aumentos salariais e promoções porque os empregadores valorizam a presença física. “Uma força de trabalho de dois níveis pode surgir, com um grupo ‘in’ altamente recompensado e um grupo ‘out’ menos recompensado.

Em todos os planos de reabertura e recuperação, a necessidade de abordar as desigualdades que se ampliaram durante a pandemia é frequentemente negligenciada. Os homens são quase duas vezes mais propensos do que as mulheres a dizer que trabalhar em casa afetou positivamente suas carreiras. As mulheres são mais propensas a dizer que se sentem esgotadas.  … Qualquer empregador que queira ter um começo justo no mundo híbrido seria sábio em lidar primeiro com a recuperação do lado psicológico de se trabalhar em casa e no escritório.

O Covid se tornará apenas mais uma doença

As pandemias não morrem – elas desaparecem”, disse The Economist.  “E é isso que a covid-19 provavelmente fará em 2022. É verdade que haverá surtos locais e sazonais, especialmente em países cronicamente subvacinados. Os epidemiologistas também precisarão estar atentos a novas variantes que possam ser capazes de superar a imunidade fornecida pelas vacinas.  Mesmo assim, nos próximos anos, à medida que a covid se estabelecer como uma doença endêmica, como gripe ou resfriado comum, a vida na maior parte do mundo provavelmente voltará ao normal – pelo menos, o normal pós-pandemia”.

O artigo nos lembra que a rápida criação e licenciamento de vacinas e tratamentos ao Covid é um grande triunfo científico. A vacina contra a poliomielite levou 20 anos para ir desde seus primeiros testes na década de 1930 até o desenvolvimento de uma vacina segura e eficaz por Jonas Salk em meados da década de 1950. O vírus Covid, SARS-Cov-2, foi identificado pela primeira vez no final de dezembro de 2019. Sua sequência genética foi publicada cerca de duas semanas depois, desencadeando uma colaboração sem precedentes entre a indústria farmacêutica global, equipes de pesquisa universitária e governos para desenvolver uma vacina. Em março de 2020, quatro vacinas candidatas foram identificadas e submetidas à avaliação humana e, no final de 2020, as primeiras vacinas receberam autorização de uso emergencial nos EUA e aprovação temporária no Reino Unido e em outros países. Até o final de dezembro de 2021, mais de 9 bilhões de vacinas foram administradas globalmente.

No entanto, ao lado desse sucesso impressionante, há um fracasso deprimente, diz The Economist.  “Outra razão pela qual a covid causará menos danos no futuro é que já fez muito no passado.  … The Economist rastreou o excesso de mortes durante a pandemia. Nossa estimativa em 22 de outubro era de um total global de 16,5 milhões de mortes (uma média entre 10,2 milhões a 19,2 milhões), o que foi 3,3 vezes maior que a contagem oficial.”

A Covid ainda não acabou. Mas até 2023, não será mais uma doença com risco de vida para a maioria das pessoas no mundo desenvolvido”. As pessoas ainda morrerão de Covid porque são idosas, com problemas de saúde ou porque não estão vacinadas.  “Isso ainda representará um perigo mortal para bilhões no mundo pobre. Mas o mesmo é, infelizmente, verdade para muitas outras condições. A Covid estará a caminho de se tornar apenas mais uma doença.

O retorno à viagens será desigual

No geral, as viagens estão aumentando à medida que as economias reabrem. “Mais pessoas vão redescobrir os prazeres de entrar em um avião para fazer uma viagem de negócios, participar de um casamento de família ou tirar férias”  Mas a recuperação será desigual. As viagens domésticas já se recuperam em países como EUA e China. Antes da pandemia, o número de viajantes transfronteiriços havia triplicado entre 1990 e 2019. Mas as viagens internacionais não devem se recuperar aos níveis pré-covid antes de 2023, mais provavelmente até 2024. As viagens regionais estão aumentando, mas ainda permanecerão em níveis baixos até que as vacinações sejam mais difundidas e regulamentadas, tornando os deslocamentos mais fáceis.

As reservas de viagens à lazer aumentam sempre que os países suspendem as restrições às viagens ao exterior e, a menos que surja uma nova e mais perigosa mutação da covid-19, essa enorme demanda reprimida ajudará a encher os aviões novamente em rotas de curta distância. As empresas, no entanto, planejam gastar menos em viagens. Pesquisas sugerem que os orçamentos normalmente estão sendo cortados em 20-40%. Os prognosticos mais sombrios calculam que metade de todas as viagens de negócios podem desaparecer para sempre.  Muitas reuniões e conferências permanecerão virtuais, ou pelo menos ocorrerão de forma híbrida, com muito menos pessoas participando pessoalmente.  … Isso é bom para o planeta, mas ruim para os turistas cujas viagens são subsidiadas por viagens de negócios e que gastam muito.”

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias