Conectividade em 2022

Os últimos dois anos foram um desafio sem precedentes para o mundo, em especial, para o setor de telecom/conectividade. Agora, enquanto a indústria e o mundo em geral aprendem como operar em um mundo mais distribuído, mais remoto e mais conectado, a ITW analisou as áreas que poderiam trazer grandes mudanças em 2022 para os negócios. Vamos comentar:

1. Investimento em infraestrutura

Quase uma década de taxas de juros baixos, levou a uma competição feroz entre os detentores de capital a oferta de ativos. E com a transformação digital acelerada para atender à crescente demanda global por conectividade, a infraestrutura de telecomunicações está atraindo ainda mais, a atenção dos investimentos.

Esses investimentos estão ocorrendo em todo o mundo, desde aquisições totais a injeções de capital. O investimento em infraestrutura de telecomunicações mais do que dobrou nos Estados Unidos como uma parcela do total de negociações de private equity entre 2020 e 2021, enquanto a América Latina foi um mercado ativo em 2021 – a Lumen vendeu seus ativos latino-americanos, incluindo fibra, subsea e data centers, por US $ 2,7 bilhões para a empresa de investimento Stonepeak em julho. A operadora brasileira Oi também vendeu uma participação de 57% em seus negócios de fibra por US $ 2,5 bilhões em 2021.

Em outros lugares, a crescente demanda por negócios de torres e data centers levou a DigitalBridge a realocar US $ 73 bilhões para investimentos em infraestrutura digital, e US $ 15 bilhões em outras infraestruturas. À medida que a conectividade por satélite passa de uma opção de último recurso, para um papel mais central no mix de conectividade, os investimentos bateram recordes nos EUA em 2021.

As condições de mercado em 2022 não serão menos atrativas para investimentos. As atividades no final de 2021 mostram que as oportunidades de negociação em comunicações móveis e fixas, bem como o aumento da demanda por infraestruturas continuarão crescendo, conforme a computação de ponta se torna uma realidade.

2. Fusões & Aquisições

Não é apenas a infraestrutura que está atraindo investimentos; as próprias telcos viraram alvos interessantes para aquisições. Isso não se deve apenas às extensas redes de infraestrutura de telefonia fixa das operadoras – a enorme base de clientes, o reconhecimento da marca e a oportunidade de percepções baseadas em dados que as empresas de telecomunicações fornecem são outra atração.

Os negócios entre as empresas de telecomunicações estão sob alto risco de serem torpedeados por reguladores anticoncorrência. A atividade de Fusões & Aquisições em telecomunicações, foi impulsionada em 2021 e parece provável que continue em 2022.

A T-Mobile Netherlands passou parte de sua propriedade, mais de US $ 5 bilhões, para o capital privado, em setembro de 2021, enquanto, a KKR foi responsável por vários negócios, incluindo uma participação de 60% na rede de fibra da Telefonica Colômbia. Esses negócios tendem a fortalecer as empresas de telecomunicações em termos de bases de clientes, investimentos em serviços e no ecossistema, com foco particular em atualizações de IoT.

3. Open-RAN (Open Radio Access Networks) chegará a uma encruzilhada.

A filosofia de rede aberta já percorreu um longo caminho desde o início, em workshops e trabalhos acadêmicos na virada da década. A rede definida por software (SD WAN), está adotando uma arquitetura e operação neutras, transparentes e flexíveis.

Nos últimos anos, a rede de acesso por rádio, teve várias iniciativas e o ‘Open RAN’ forneceu interfaces totalmente abertas. A resistência inicial do fornecedor desmoronou à medida que os principais testes e implementações foram anunciados em redes Tier 1 em todo o mundo, principalmente a primeira implantação comercial planejada da Vodafone de Open RAN na Europa. Agora, a O-RAN Alliance conta com apoio global, e até mesmo os fornecedores com maior risco de adoção de Open RAN estão incorporando seus princípios em suas ofertas de tecnologia.

A dinâmica deve continuar pelo menos nos estágios iniciais de 2022. A NEC e a Telefonica assinaram um acordo em setembro para realizar testes de O-RAN em quatro mercados da Telefonica, com a NEC atuando como integradora de sistema com vários fornecedores envolvidos, e a Deutsche Telecom e a ONF realizaram recentemente a primeira implementação completa da arquitetura O-RAN em um teste de campo 5G. No entanto, nem todo mundo aceita ou adota o Open RAN, e 2022 poderá facilmente ver uma desaceleração ou reversão dessa tecnologia. Um relatório recente publicado pelo governo alemão, lança dúvidas sobre a segurança da infraestrutura Open RAN, e conclui que a neutralidade do fornecedor, apresenta ameaças à segurança da rede. Resta saber se isso trará insegurança a outros governos e reguladores – e, em caso afirmativo, se isso afetará o desejo das empresas de telecomunicações por maior flexibilidade e escolha de fornecedor que o Open RAN oferece.

4. As redes 5G privadas irão decolar.

Até agora, muito do esforço de 5G tem se concentrado nos benefícios para o consumidor. E embora alguns mercados estejam se saindo melhor do que outros com a adoção do 5G pelo consumidor, a aplicação do 5G que pode realmente mexer com o mercado, é a conectividade industrial, em particular as redes 5G privadas.

Depois de ganhar experiência com as redes LTE existentes, vários grandes clientes industriais estão em uma posição para aproveitar ao máximo a baixa latência, a confiabilidade e a largura de banda dedicada que o 5G privado oferece.
Nos primeiros dias do 5G, o hype prometia uma mina de ouro para as operadoras – e isso se tornou realidade em termos literais para Telia e Nokia, que se uniram para fornecer uma rede privada para o maior local de produção de ouro na Europa, a mina Kittilä no norte da Finlândia. Na Rússia outra mina, recebeu a primeira rede 5G privada da Rússia, e será seguida por outras, depois que a Ericsson e a MTS recentemente se juntaram para fornecer redes privadas em todo o país.

Com notícias de mais lançamentos e testes surgindo quase diariamente – somente na última semana de novembro houve anúncios da Porsche, Bosch, Compal Electronics e outros – o lado industrial do 5G provavelmente continuará sendo um grande ponto de discussão conforme começamos a ver implementações no mundo real.

5. A computação quântica irá passar da teoria à prática.

A computação quântica – armazenamento de informações que pode existir em dois estados binários simultaneamente, o que não é possível na computação “clássica” – tem o potencial de aumentar estratosfericamente a velocidade e a potência da computação. A compreensão entre os cientistas de redes de como aplicar o quantum às telecomunicações está se transformando em um ritmo quase tão rápido e agora estamos no estágio em que há possibilidades reais para as teles implementarem a tecnologia para aumentar as velocidades e melhorar o serviço.
Até agora, as comunicações quânticas foram responsáveis pela maior parte das pesquisas e desenvolvimento, e poderia já ter tido o seu boom de negócios em 2021, não fosse a crise global da pandemia COVID-19.

O poder de processamento da computação quântica apresenta oportunidades interessantes na otimização da infraestrutura de telecomunicações, planejamento de operações e cálculos de rotas, e a pesquisa inicial na área também destaca o potencial de construção de uma rede de vários dispositivos quânticos. No entanto, os mesmos recursos que tornam a computação quântica tão atraente para as telcos, também apresentam algumas dificuldades – a segurança nos pontos de interação é uma grande preocupação, e o alcance limitado das comunicações quânticas sem perder a fidelidade da mensagem exigiria atualmente uma infraestrutura de reforço em grande escala.
Mas isso não impediu que as empresas de telecomunicações já entrassem em ação. A Telefónica tem se aventurado em testes quânticos desde 2007 e desde 2018 tem operado o teste MadQCI com o objetivo de integrar a capacidade quântica na infraestrutura SDN / NFV existente da operadora espanhola. Com essa alta tecnologia, outras operadoras ficarão de olho no progresso.

6. O ESG se tornará uma necessidade de negócios.

No passado, as questões ambientais, sociais e de governança nas telecomunicações eram, na melhor das hipóteses, faladas da boca para fora. Mas agora existe uma pressão muito grande para descarbonizar as comunicações – tanto dos usuários finais quanto dos legisladores. Combinado com uma crise de talentos na indústria, isso significa que construir um setor de conectividade sustentável, diversificado e representativo é agora uma necessidade comercial.

Em termos de diversidade, o último relatório GLF Diversity, Inclusion and Belonging mostra o papel-chave que D&I (Diversidade & Inclusão) provavelmente desempenhará este ano, com 87% dos entrevistados dizendo que essa área é uma prioridade estratégica para suas empresas. O progresso tem sido misto, no entanto, com apenas 17% dos entrevistados acreditando que são diferentes tanto em gênero quanto em raça.

Para resolver isso, o relatório pede um foco em KPIs mensuráveis, redes entre operadoras e uma dedicação para defender programas STEM – e com 30% das organizações relatando que seus programas eram liderados por CEOs, contra 20% em 2020, haverá muita atenção da alta administração este ano.

Do lado da sustentabilidade, basta olhar as manchetes para ver a natureza crítica da situação. Dado seu alto consumo de energia, o progresso feito pela indústria de data center é encorajador, com o Climate Neutral Data Center Pact comprometendo seus signatários a tornar os data centers totalmente neutros em carbono até 2030.

No entanto, com as telcos sendo responsáveis pelo dobro das emissões de carbono da aviação civil, os esforços virão de toda a indústria. E já há sinais de progresso – um relatório do BCG descobriu que as empresas britânicas de telecomunicações cortaram as emissões em 15% em 2020 – mas ainda há trabalho a fazer, com apenas quatro teles entre as 200 maiores empresas, assinando um recente compromisso climático da Amazônia.
É aqui que as atualizações de rede assumem uma importância ainda maior – redes mais eficientes significam menos emissões. A sustentabilidade como um subproduto do aprimoramento da rede pode ser onde o verdadeiro progresso da sustentabilidade será feito em 2022.

7. Telcos e hyperscales providers ficam próximos e pessoais.

Telcos e hyperscales providers estão em uma dança experimental há algum tempo, mas agora eles estão se entrelaçando em mais áreas do que nunca.

Em primeiro lugar, o lado empresa. Não há como negar que os provedores de nuvem estão incorporados aos fluxos de trabalho e estratégias de conectividade de empresas de todos os tamanhos – mas há áreas onde o conhecimento e a experiência em telecomunicações podem ser inestimáveis. Uma análise recente da base de clientes da AWS sugere que o aumento de recursos e o foco de uma grande empresa podem afastar as PMEs dos provedores de nuvem, possivelmente abrindo a porta para parcerias telco.

No lado da borda, Roy Chua da AvidThink acredita que a natureza fragmentada do mercado de nuvem pode levar as telcos a melhorar suas próprias ofertas de nuvem, para manter as telcos sob controle – esta poderia ser uma área a ser observada em 2022.

E no lado dos cabos submarino, a colaboração parece um pouco mais distante. Afastando-se do antigo modelo de consórcio, os dois cabos recentes da Google entre EUA-Europa, Dunant e Grace Hopper, foram construídos sem envolvimento das telcos, e uma parte tão vital da infraestrutura de comunicação que saiu das mãos das telcos representa uma grande perda de controle global redes e reduz a oportunidade de parcerias.

No entanto, este ano viu alguns anúncios de parceria muito importantes, entre elas a expansão significativa da colaboração da Vodafone e do Google Cloud para construir uma nova plataforma de dados integrada que combine a experiência em nuvem do Google com os relacionamentos com clientes e bancos de dados da Vodafone. Esse tipo de arranjo mutuamente benéfico parece ser o modelo para parcerias entre os hiperscaladores / telcos em 2022 e além.

Essas previsões se concretizarão?

Em 1999, Bill Gates escreveu o livro “Business @ the Speed of Thought”. Nele, fez 15 previsões ousadas para a época sobre tecnologia:

  1. Sites de comparação de preços;
  2. Dispositivos móveis;
  3. Pagamentos instantâneos, finanças e saúde online;
  4. Assistentes virtuais e Internet das Coisas;
  5. Vigilância online e em tempo real de sua casa;
  6. Redes sociais;
  7. Ofertas baseadas em dados;
  8. Sites de discussão sobre esportes;
  9. Propaganda segmentada;
  10. Links para sites durante transmissões ao vivo na TV;
  11. Fóruns online;
  12. Sites serão construídos a base de interesses;
  13. Softwares de gerenciamento de projetos;
  14. Contratações online;
  15. Economia gig.

Pelos menos essas quinze previsões se concretizaram e são realidade em 2021.

😀👍🏻

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias

Privacy Preference Center

Necessary

Advertising

Analytics

Other