O impacto do código aberto na economia

Na década de 1990, o Sistema em código aberto era visto como uma abordagem experimental para o desenvolvimento de software usado principalmente por pesquisas e comunidades acadêmicas em projetos emergentes como Internet e Linux. Desde então, o código aberto evoluiu para se tornar um modelo bem aceito de produção econômica em quase todas as comunidades do setor público e privado em todo o mundo. Mas, embora amplamente utilizado, qual tem sido o impacto econômico do código aberto às nações e às empresas? Esta questão foi abordada em um estudo sobre o impacto do código aberto na economia europeia. “A crescente relevância do Open Source (OS) durante as últimas duas décadas exige uma atualização de uma análise aprofundada de seu papel atual e seu potencial para a economia europeia”, disse a Comissão Europeia (CE) em seu relatório sobre  O impacto do software e hardware de código aberto na independência tecnológica, competitividade e inovação na economia da UE. “Enquanto o software de código aberto (OSS) se tornou popular em todos os setores da indústria de software nos últimos 20 anos, o hardware de código aberto (OSH) ainda está em uma fase emergente. No entanto, o ecossistema de negócios para OSH está se desenvolvendo.

A CE realizou uma análise abrangente dos usos comerciais, custos e benefícios de OSS e OSH.  “Com base nessas informações, o estudo avalia o potencial da União Europeia (UE) para atingir seus objetivos políticos (incluindo crescimento econômico, maior competitividade, inovação e criação de empregos) por meio do uso, promoção e apoio de OSS e OSH.” O relatório inclui uma análise detalhada e quantitativa do custo-benefício e do impacto econômico dos investimentos em código aberto; inclusive, uma pesquisa foi conduzida, com opiniões de mais de 900 partes interessadas; uma série de estudos de caso concretos; e várias recomendações de políticas públicas à CE e aos países membros da UE.

1. Análise de custo-benefício. “Com base em informações de domínio público, as empresas localizadas na UE investiram cerca de € 1 bilhão em OSS em 2018.” O relatório explicou como chegou a essa estimativa. Em 2018, havia pelo menos 260.000 colaboradores de OSS no GitHub e mais de 3,1 milhões de desenvolvedores de software nos países da UE. Esses contribuidores de OSS fizeram mais de 30 milhões de commits no Github, o que representa um investimento em pessoal de cerca de 16.000 posições de trabalho em tempo integral (FTE). Com base nos custos médios de mão de obra da UE, 16.000 FTEs representam um investimento de 1 bilhão de euros. “A análise econométricas dos dados do PIB dos Estados Membros da UE indica que em 2018, em todos os Estados Membros, o impacto econômico do OSS foi entre € 65 e € 95 bilhões. Com base nessa análise, o estudo estimou que um aumento de 10% nas contribuições do OSS geraria um PIB adicional à UE, por ano, entre 0,4% e 0,6%. Em 2018, o PIB da UE foi de € 15.900 bilhões, portanto, um aumento do PIB de 0,4% – 0,6% corresponde a um aumento de € 65 – € 95 bilhões. “No geral, os benefícios do Open Source superam em muito os custos associados a ele.” De acordo com o estudo, em 2018 “a contribuição do OSS para o PIB da UE e as contribuições dos funcionários da UE para o OSS geram uma relação custo-benefício ligeiramente acima de 1:10. Depois de levar em conta o hardware e outros custos de capital dos 260.000 contribuintes da UE para o OSS, a relação custo-benefício ainda está ligeiramente acima de 1:4.” A metodologia desta análise de custo-benefício é explicada em detalhes no relatório da CE.

2. Informações da pesquisa. Além da análise quantitativa, o estudo recolheu e analisou os pontos de vista das partes interessadas da UE sobre o impacto do OSS e OSH. A pesquisa recebeu respostas de mais de 900 empresas e desenvolvedores. A maioria dos entrevistados estava envolvida em projetos OSS como usuários, desenvolvedores ou provedores de serviços, com apenas um pequeno número envolvido no desenvolvimento de OSS. A pesquisa mostrou que as principais motivações para se envolver em código aberto foram encontrar soluções técnicas, evitar o aprisionamento de fornecedores, avançar no estado da arte da tecnologia, desenvolver código de alta qualidade e buscar e criar conhecimento. Outras motivações incluíam economia de custos, redução dos esforços internos de manutenção, acesso a código livre de royalties e aumento do retorno dos investimentos em P&D. Além disso, a pesquisa descobriu que os indivíduos eram motivados por seus interesses pessoais em contribuir com código para comunidades de OSS. Os entrevistados individuais da pesquisa disseram que os maiores benefícios de trabalhar com grupos de OSS foram o suporte a padrões abertos e interoperabilidade, acesso aprimorado ao código-fonte, independência de fornecedores de software proprietário, acesso a uma comunidade altamente experiente e ativa e segurança e qualidade aprimoradas.

3. Estudos de caso. Para resolver a falta de dados em algumas áreas, em particular sobre OSH, o estudo realizou uma série de entrevistas. Depois elas foram filtradas e detalhadas em vários estudos de caso, incluindo:

  • Inovação de Processo de Fabricante para Fabricante. Projetos de OSH como Arduino, MyriadRF e RepRap reúnem a academia e o movimento maker e fornecem uma ponte entre a fabricação cidadã e a indústria.
  • Computação e Infraestrutura de Hardware Aberta. Histórias de sucesso de SST como RISC-V e SiFive fornecem uma plataforma para inovação e exploração comercial.
  • Sistemas Embarcados e IoT. Projetos OSH como OpenCompute, CentOS e Yocto ajudam os desenvolvedores a incorporar computadores de uso geral em dispositivos físicos, de smartphones a carros, usando hardware de prateleira e software licenciado gratuitamente.

4. Recomendações de políticas. Com base nas análises, o estudo fez uma série de recomendações à Comissão Europeia, que incluem:

  • Capacitação Institucional. Criar e financiar uma rede de até 20 Escritórios de Projetos de Código Aberto para apoiar e acelerar o consumo, a criação e a aplicação de tecnologias abertas.
  • Criação de Legitimidade. Integrar a OSS e as suas comunidades nas políticas europeias de investigação e inovação, bem como na estratégia industrial europeia; envolver-se com fundações OSS/OSH que possam oferecer uma abordagem adequada para financiamento e apoio.
  • Inteligência Estratégica. Expandir o Open Source Observatory – um lugar onde a comunidade OSS se reúne para aprender, encontrar soluções relevantes de software de código aberto e ler sobre o uso de código aberto e gratuito em administrações públicas em toda a Europa e fora dela;  e integrar o Open Source nas atividades de coleta de dados do Eurostat.
  • Criação do Conhecimento.  Aumentar o financiamento de P&D relacionado a projetos OSS e OSH por meio de programas existentes, como Horizon Europe, e novas iniciativas voltadas para startups de PMEs e desenvolvedores individuais; e oferecer prêmios e prêmios de pesquisa para comunidades, estudantes e professores de OSS e OSH.
  • Difusão de Conhecimento e Networking. Apoiar o desenvolvimento e manutenção de plataformas e repositórios OSS/OSH; e fornecer incentivos para o upload de código gerado em projetos de P&D com financiamento público.
  • Atividades Empreendedoras.  Fornecer habilidades empreendedoras em start-ups baseadas em OSS e OSH com apoio financeiro de fundações para esses fins.
  • Criação de Mercado. Considerar o Open Source explicitamente nas políticas de concorrência e plataforma relacionadas à governança de comunidades de código aberto.
  • Desenvolvimento do Capital Humano. Promover a educação Open Source, – incluindo desenvolvimento, modelos de negócios, licenciamento e gestão, – em instituições de ensino superior; oferecer licenças de certificação para indivíduos com habilidades em OSS/OSH; e apoiar projetos de pesquisa para aumentar a diversidade de colaboradores.
  • Desenvolvimento de Capital Financeiro. Tratar contribuições OSS/OSH de pessoas físicas e jurídicas como doações de caridade para fins fiscais; e lançar instrumentos financeiros como fundos de capital de risco focados para ajudar as startups OSS/OSH a se unirem a empresas.
  • Ambiente regulatório. Promover o OSS como um importante canal de transferência de conhecimento e tecnologia; melhorar a inclusão de OSS nas compras públicas;  considerar Open Source em futuras revisões da legislação europeia de direitos autorais e patentes; e financiar auditorias de segurança de projetos críticos de OSS.

O software de código aberto já está tendo um grande impacto na economia europeia e o potencial do hardware de código aberto está começando a surgir. É necessária uma abordagem abrangente e coordenação política certa para ampliar e incentivar ainda mais as produções de código aberto em benefício da economia global.

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias