A evolução da arquitetura corporativa em um mundo cada vez mais digital

O que é preciso para empresas tradicionais criarem valor com tecnologia digital?, pergunta um artigo da McKinsey de novembro de 2018. A resposta que está na ponta da língua dos gestores é: variedade de abordagens, investir com ousadia e adotar tecnologias de ponta em escala. No entanto, o artigo adverte que, tais esforços ainda podem enfrentar sérias dificuldades.  “Em nossa experiência, um impulso para lançar mais aplicativos digitais pode tornar o cenário tecnológico de uma empresa cada vez mais complexo e difícil de gerenciar, a ponto de impedir os programas de transformação.”

Alguns meses atrás, escrevi sobre a evolução do papel do CIO, com base em uma pesquisa com mais de 500 CIOs e líderes de tecnologia. Quase todos os CIOs pesquisados concordaram que suas responsabilidades se tornarão mais estratégicas nos próximos anos, unindo as estratégias de negócios e tecnologia de suas empresas e gerenciando transformações digitais cada vez mais complexas e difíceis.

Essa função estratégica do CIO está, por sua vez, impulsionando a evolução de suas equipes de arquitetura corporativa (Enterprise Architecture). Tradicionalmente os arquitetos corporativos são responsáveis por traduzir as necessidades de negócios em requisitos de TI. Uma parte importante do trabalho deles é garantir que os sistemas de TI da empresa funcionem juntos para habilitar e apoiar a estratégia digital geral da empresa. E cada vez mais, as equipes de EA têm a responsabilidade principal de gerenciar a complexidade tecnológica inerente às transformações digitais.

É muito difícil de encontrar um EA verdadeiramente talentoso e com todos os atributos necessários. Eles devem estar focados e confortáveis com a estratégia de negócios e com as tecnologias digitais necessárias. Para entender melhor o papel fundamental desempenhado pelas equipes de EA em suas empresas, a McKinsey realizou uma pesquisa que recebeu mais de 150 respostas de vários países e setores. Os entrevistados que descreveram suas empresas como “líderes digitais” disseram que as equipes de EA agregam valor seguindo várias práticas recomendadas, incluindo:

Envolvem os principais executivos nas principais decisões.  As equipes de EA mais eficazes investem seu tempo na compreensão das necessidades de negócios de sua empresa. 60% dos arquitetos corporativos em empresas consideradas líderes digitais disseram que interagem mais com executivos de nível C e departamentos de estratégia, em comparação com apenas 24% dos de outras empresas. As transformações digitais têm maior probabilidade de sucesso quando os líderes seniores de uma empresa entendem o impacto da tecnologia nos negócios “e dedicam seu tempo a tomar decisões que parecem técnicas, mas que influenciam o sucesso ou o fracasso dos objetivos de negócios da empresa”.

Enfatizam o planejamento estratégico.  As equipes de EA em empresas líderes digitais têm uma forte orientação para o futuro. 100% dessas equipes disseram que desenvolvem e atualizam continuamente modelos de negócios e arquiteturas de TI de suas empresas em comparação com 58% das equipes de EA de outras empresas.  “As equipes que gastam mais capacidade do que a média em planejamento estratégico eram mais propensas a relatar a entrega de soluções de negócios sustentáveis, fazendo maiores contribuições para os benefícios dos projetos e ganhando maior reconhecimento dentro da empresa.

Focam nos resultados do negócio. A transformação digital valoriza a estreita colaboração entre as funções de negócios e de TI. A pesquisa descobriu que as contribuições das equipes de EA para benefícios de processos de negócios em líderes digitais foram classificadas como “altas” ou “muito altas” por 60% dos entrevistados, em comparação com 37% das equipes de outras empresas;  enquanto as contribuições para os benefícios de TI foram classificadas como “altas” ou “muito altas” por 90% dos entrevistados de líderes digitais em comparação com 63% de todos os outros.

No pós-pandemia, as equipes de EA têm um papel ainda mais importante a desempenhar.

A Covid-19 acelerou significativamente as transformações digitais que as empresas tiveram que fazer para ajudá-las a lidar com a crise, forçando as empresas a abreviar protocolos normais de TI para obter soluções digitais em tempo recorde, às vezes literalmente em dias e semanas. Embora isso tenha permitido que eles lidassem com a crise imediata, criou uma chamada dívida técnica, o que significa que suas soluções de sistema não são tão robustas, flexíveis e escaláveis quanto as soluções de TI normais deveriam ser. Muitas organizações têm enfrentado agora como integrar esses esforços de digitalização fragmentados e muitas vezes improvisados.

Um artigo recente da McKinsey, publicado em julho de 2021, observou que as demandas das equipes de EA estão mudando rapidamente, dada a crescente importância das operações, aplicativos e modelos de negócios digitais.  O artigo argumentou que neste primeiro ambiente digital pós-pandemia, os objetivos das equipes de EA devem evoluir de três maneiras principais:

1. Permitir decisões estratégicas.

Definir a direção estratégica sempre foi uma importante tarefa de EA, mas com muitas empresas se tornando cada vez mais digitais, tornou-se uma prioridade [ainda mais importante] em nível de negócios. No passado, grandes falhas afetavam apenas o orçamento de TI. Agora, eles afetam todo o negócio.

Antes da pandemia, por exemplo, um aplicativo de varejo que não escalou bem devido a falhas de arquitetura, levaria principalmente ao aumento dos custos de TI. Mas pós-pandemia, como uma grande parte das vendas no varejo agora se mudou para canais online, as mesmas falhas de arquitetura levariam a perdas substanciais de vendas. “As empresas digitalmente avançadas criam um plano para o futuro e envolvem arquitetos corporativos para descobrir um sistema que possa habilitá-lo.

2. Garantir a reutilização.

No passado, garantir a reutilização era principalmente uma consideração de custo, o que significava que o desenvolvimento era geralmente tratado como algo único.” 

Funções que foram desenvolvidas rapidamente, – como tantas empresas foram forçadas a fazer para lidar com a crise imediata, – muitas vezes se tornaram permanentes e levaram a um maior débito técnico.

A EA desempenha um papel crucial em evitar esses resultados, garantindo que as novas soluções reutilizem a funcionalidade estabelecida. Isso não apenas evita perder tempo reinventando a roda, mas também ajuda a garantir uma experiência consistente para o cliente. Os arquitetos devem facilitar a discussão entre as equipes de produto sobre recursos e soluções, facilitar a localização de todos os recursos disponíveis para reutilização e garantir um alinhamento próximo com a estratégia.

3. Velocidade de desenvolvimento.

A flexibilidade e a capacidade de resposta de um negócio digital são severamente prejudicadas se essas características não forem refletidas também na camada de base tecnológica. Isso significa que os arquitetos corporativos precisam gerenciar a fila de coisas de tecnologia, de forma ágil e consistente. Tudo tem que estar pronto e adequado ao uso, para novas equipes de desenvolvimento. A EA pode oferecer isso de duas formas: (i) entregando todos os componentes de tecnologia que as equipes precisam para desenvolver, implantar e testar novas funcionalidades e (ii) entregar um conjunto de ‘padrões’ com curadoria – práticas recomendadas sobre como armazenar e integrar dados com outras equipes e realizar outras tarefas comuns na vida cotidiana de uma equipe de produto”.

Os arquitetos corporativos precisam agora operar de maneira bem diferente do que faziam há apenas três anos, ajudando a TI a fornecer valor e excelência de engenharia aos negócios e garantindo que as mudanças propostas sejam práticas, acrescenta o artigo em conclusão. Eles precisam desenvolver uma mentalidade orientada para o cliente, apoiando os colegas na busca de soluções para o que desejam alcançar, além de fornecer diretrizes, suporte de treinamento e outras documentações relevantes como parte do processo geral de implantação de sistemas. Com o novo papel da EA e a evolução de suas habilidades; as empresas podem torná-los o alicerce de sua transformação tecnológica.

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias