10/02/2021

A Ciência e as implicações da Crise Covid

Por wcalazans

The Public Face of Science foi lançado há quatro anos pela Academia Americana de Artes e Ciências para compreender melhor a complexa relação entre cientistas e o público americano. A iniciativa já publicou três relatórios.

O primeiro, Perceptions of Science in America, foi publicado em 2018. Ele reporta que a maioria dos americanos expressa grande confiança na comunidade científica, uma confiança que se manteve estável nos últimos trinta anos. Mas, também descobriu que a confiança na ciência varia de acordo com dados demográficos, incluindo idade, raça, nível de escolaridade, localização regional, filiação política e outras características.

O relatório recomendou pesquisas adicionais para entender melhor por que certos tópicos eram particularmente controversos, especialmente mudanças climáticas, segurança de vacinas e alimentos geneticamente modificados.

Esse relatório foi seguido pelo Encountering Science in America, publicado em 2019. Este segundo relatório explorou a diversidade de crescentes oportunidades para as pessoas aprenderem sobre ciências fora da sala de aula, incluindo visitas a centros de ciências e museus, fontes de notícias gerais, informações online, mídia social e entretenimento. Ele concluiu que tal cenário complexo exige uma abordagem multifacetada para a face pública da ciência e recomendou pesquisas adicionais para entender melhor como comunicações e compromissos eficazes moldam o interesse do público em sua compreensão e apoio à ciência.

Priorities for the Future, o terceiro e último relatório, foi publicado em agosto de 2020. Embora o relatório não aborde diretamente as implicações da Covid-19 para a iniciativa Pública da Ciência, ele o faz em um documento anexo que destaca o papel crítico desempenhado pela ciência para garantir o bem-estar dos indivíduos e da sociedade durante a pandemia.

A experiência com COVID-19 reforça a necessidade de um trabalho cuidadoso contínuo para abordar o acesso público a conteúdo científico confiável e para aumentar a capacidade do público de identificar e rejeitar informação e desinformação (informações intencionalmente falsas).

Uma pesquisa recente do Pew Research Center mostra, de maneira geral, que o público tem cada vez mais confiança na ciência, em particular na ciência médica, e isso obviamente é reconfortante”.

No entanto, a pesquisa também revela que a ideologia política se estende a atitudes em relação à ciência médica,

uma questão na qual os republicanos conservadores desconfiam mais do consenso científico do que os democratas liberais. Essa divergência, é claro, tem um impacto importante na implementação de políticas para enfrentar a pandemia. Isso reforça a importância de nossas recomendações para buscar entender e fechar as lacunas entre o consenso científico e o entendimento público.

O relatório está organizado em torno de três prioridades principais e aqui vai um resumo das conclusões e recomendações de cada uma das prioridades.

Capacitar a comunidade científica

A comunidade científica deve aumentar sua capacidade de engajamento com o público, bem como sua valorização e compreensão das habilidades necessárias para fazê-lo. A comunidade também deve contar com conhecimentos de uma variedade de campos além da ciência e da engenharia, incluindo comunicações, relações públicas, educação e ciências sociais e comportamentais.

Para apoiar essa prioridade, o relatório recomenda uma série de ações, incluindo:

  • Integrar comunicação científica e competências de engajamento em programas de graduação e pós-graduação STEM;
  • Garantir que as sociedades científicas tenham os recursos adequados para comunicações e compromissos eficazes;
  • Aumentar a capacidade de apoiar comunidades científicas e compromissos em instituições de ensino superior;
  • Designar uma equipe dedicada para conectar e apoiar tais atividades em diferentes disciplinas acadêmicas; e
  • Incluir a participação em atividades de comunicação científica nas decisões de promoção e posse.

Moldar a narrativa em torno da ciência.

As discussões sobre ciência na mídia jornalística, plataformas digitais, documentários e entretenimento têm um grande impacto na percepção pública. Eles não apenas aumentam a conscientização sobre o tópico que está sendo discutido, mas também formam opiniões e confiança na ciência. Além disso, as comunicações científicas devem abordar o problema crescente de informação e desinformação que corrompem a confiança pública na legitimidade dos resultados científicos, o que, no caso de questões como COVID-19, pode resultar em perigo para todos. Para apoiar esta prioridade, o relatório recomenda:

  • Abordar a descaracterização da informação científica explicando cuidadosamente os processos usados para chegar a um consenso científico, destacando questões para as quais no momento não temos resposta e, portanto, precisamos de pesquisas adicionais;
  • As sociedades científicas devem desenvolver planos de ação que as ajudem a responder rapidamente a grandes descaracterizações e desinformação;
  • As instituições de ensino superior devem desenvolver workshops para ajudar os jornalistas a compreender os principais avanços científicos e como eles surgiram; e
  • Jornalistas e editores devem ter acesso a fontes, fichas técnicas, recursos e acesso a especialistas em tópicos científicos de impacto, especialmente aqueles que tratam de assuntos polêmicos.

Desenvolver suporte sistêmico para esforços de engajamento científico

Conforme discutido anteriormente, as pessoas geralmente encontram a ciência por meio de um conjunto diversificado e crescente de experiências. Dada a complexidade e amplitude dos avanços científicos, é importante adotar uma abordagem sistêmica para melhorar a compreensão do público sobre os tópicos discutidos. Isso requer estreita coordenação e compartilhamento de recursos entre as instituições participantes e profissionais. As ações recomendadas para esta prioridade final incluem:

  • Apoiar o desenvolvimento de centros, bancos de dados e abordagens práticas que ajudarão a conectar profissionais para que possam compartilhar recursos e melhores práticas;
  • As organizações envolvidas em comunicações científicas e engajamento devem colaborar em áreas de interesses comuns;
  • Diversidade, equidade e inclusão com a comunidade em geral devem ser incorporadas em todos os aspectos desses esforços;
  • A indústria, as universidades e o governo devem fazer parceria com instituições locais – por exemplo, escolas, bibliotecas, museus, centros de ciências – para apoiar e fortalecer seus esforços de engajamento científico; eAumentar os recursos necessários para avaliar os resultados e o impacto de longo prazo das atividades de comunicação e engajamento da ciência.

No século XXI, a ciência continuará a ter uma influência profunda na vida diária e no bem-estar das pessoas”, concluiu o relatório Priorities for the Future.

As atitudes das pessoas em relação à ciência e as maneiras pelas quais elas se envolvem com o conteúdo científico impactarão em tudo, desde sua curiosidade sobre descobertas científicas até a tomada de decisão baseada em evidências e seu desejo de participar da ciência … Estamos em um momento em que o entusiasmo e o apoio à comunicação científica e ao engajamento pode ser aproveitado para um maior impacto por meio de esforços em larga escala para desenvolver capacidades. As metas e áreas prioritárias neste relatório oferecem um ponto de partida para ações de longo prazo.

Conte aos amigos