07/09/2021

Vem por aí uma era de crescimento da produtividade?

Por wcalazans

Os últimos 15 anos foram tempos difíceis para muitos, mas agora há sinais encorajadores de uma virada”,

escreveram os economistas Erik Brynjolfsson e Georgios Petropoulos em The Coming Productivity Boom, um artigo de opinião publicado no MIT Technology Review.

O crescimento da produtividade, um fator-chave para padrões de vida mais elevados, foi, em média, de apenas 1,3% desde 2006, menos da metade da taxa da década anterior. Mas em 3 de junho, o Bureau of Labor Statistics dos EUA relatou que a produtividade do trabalho dos EUA aumentou 5,4% no primeiro trimestre de 2021. O que é melhor, há motivos para acreditar que isso não é apenas algo pontual, mas sim um prenúncio de tempos melhores à frente: um aumento de produtividade que igualará ou ultrapassará os tempos de boom da década de 1990”.

Depois de crescer a uma taxa média anual de cerca de 2,8% entre 1947 e 1973, a produtividade dos EUA diminuiu significativamente, exceto pelo aumento de produtividade impulsionado pela Internet entre 1996 e 2004. Apesar dos avanços implacáveis das tecnologias digitais nos últimos 15 anos, – de smartphones e banda larga sem fio à computação em nuvem e aprendizado de máquina, – a produtividade cresceu apenas 1,3%, entre 2006 e 2019. A maioria dos países da OCDE experimentou desacelerações semelhantes.

O que explica esse intrigante assim chamado paradoxo da produtividade e quando ele pode finalmente terminar? Nos últimos anos, Brynjolfsson e seus vários colaboradores exploraram essa questão, primeiro no MIT, onde foi diretor docente da Initiative on the Digital Economy, e desde 2020 em Stanford, onde é diretor do Stanford Digital Economy Lab. Brynjolfsson discutiu explicações alternativas para o paradoxo em uma conferência do MIT.

Há uma dificuldade de medir a produtividade em uma economia cada vez mais digital e orientada para os serviços. A maioria das medidas de desempenho econômico usadas por funcionários do governo para informar suas políticas e decisões são baseadas no Produto Interno Bruto (PIB). Mas o PIB é uma relíquia de uma época dominada pela manufatura, onde a produção de bens físicos era muito mais fácil de medir. O PIB é uma medida muito menos confiável de produção econômica e produtividade em nossa economia digital, onde os serviços desempenham um papel muito maior e estão sujeitos a uma variação consideravelmente maior em qualidade e valor.

Como medir o valor das quantidades de produtos gratuitos disponíveis na Internet, incluindo Wikipedia, Facebook, Linux e YouTube? Uma vez que todos esses serviços são gratuitos, eles são excluídos das medidas do PIB. Além disso, muitos dos novos serviços que costumávamos pagar agora também são gratuitos ou quase isso, incluindo chamadas de longa distância, notícias, artigos, mapas e música.

Um artigo de pesquisa de 2019 com coautoria de Brynjolfsson apresentou um novo método para medir o valor de produtos digitais gratuitos para consumidores usando experimentos online. Os experimentos forneceram uma estimativa do excedente do consumidor de um bem digital – vagamente definido como a diferença entre a quantia que os consumidores estariam dispostos a pagar e o preço real que pagaram pelo bem digital. Os dados mostraram que a economia digital está contribuindo com muito mais valor para o consumidor do que imaginamos, especialmente quando você considera que há 15 anos muitos desses serviços digitais nem existiam ou estavam no início. Agora, eles estão totalmente integrados em nosso trabalho e vida pessoal, muito mais porque muitas de nossas interações foram impulsionadas ao mundo online, pela pandemia.

Declínio da inovação e produtividade.

Alguns economistas afirmam, – principalmente Robert Gordon da Northwestern University, – que nossas tecnologias digitais atuais, não são tão transformadoras quanto as tecnologias da era industrial do período entre 1870 e 1970, quando experimentamos alta de crescimento da produtividade e um padrão de vida crescente. Gordon argumenta que o crescimento lento das últimas décadas não é cíclico, mas sim uma evidência de que o crescimento econômico de longo prazo pode estar parando. Houve pouco crescimento antes de 1800 e pode haver pouco crescimento no futuro.

No entanto, mesmo sendo cético da tecnologia, Gordon admite que a pandemia provavelmente terá um impacto positivo na produtividade, – embora pequeno, – como resultado da digitalização e reorganização acelerada do trabalho. Na verdade, Brynjolfsson e Gordon fizeram uma modesta aposta no crescimento da produtividade no decorrer da década de 2020.

Brynjolfsson prevê que “o crescimento da produtividade dos negócios privados não agrícolas será em média mais de 1,8% ao ano desde o primeiro trimestre (Q1) de 2020 até o último trimestre de 2029 (Q4).

Gordon desafia essa previsão, argumentando que o crescimento da produtividade de 1,8% não é consistente com o recorde histórico. Quem perder a aposta fará uma doação de $400 para instituições de caridade GiveWell.

O intervalo de tempo entre os avanços da tecnologia e seu impacto na economia.

Uma terceira explicação para o paradoxo da produtividade, – essa, que para mim, parece ser a mais convincente, – é descrita em The Productivity J-Curve, um documento de 2020 de co-autoria de Brynjolfsson. De acordo com o artigo da Curva J, geralmente há um lapso de tempo significativo para que uma nova tecnologia de transformação importante seja amplamente adotada nas economias e sociedades. Embora as tecnologias possam avançar rapidamente, os humanos e as instituições mudam lentamente.

Uma vez que essas tecnologias são de uso geral, elas exigem investimentos massivos para que todos os seus benefícios sejam alcançados, incluindo novos produtos, processos e modelos de negócios, incluindo também a requalificação da força de trabalho. Além destes, quanto mais transformadora a tecnologia, mais tempo leva para chegar à fase de colheita, que é a fase quando ela será amplamente aceita e adotada por empresas e indústrias. Traduzir avanços tecnológicos em ganhos de produtividade requer grandes transformações na estratégia, na organização e na cultura das instituições – e isso leva um tempo considerável.

Por exemplo, a produtividade do trabalho nos Estados Unidos cresceu apenas 1,5% entre 1973 e 1995. Esse período de baixa produtividade coincidiu com o rápido crescimento do uso de TI nos negócios, dando origem ao paradoxo da produtividade de Solow, uma referência ao economista do Prêmio Nobel do MIT, Robert Solow, que fez uma piada sobre o tema, em 1987:

Você pode ver a era do computador em qualquer lugar, menos nas estatísticas de produtividade”.

Mas, a partir de meados da década de 1990, a produtividade da mão-de-obra nos Estados Unidos subiu para mais de 2,5%, à medida que as tecnologias de Internet, em rápido crescimento e a reengenharia de processos de negócios ajudaram a disseminar inovações que aumentam a produtividade por toda a economia.

Da mesma forma, o crescimento da produtividade não aumentou até 40 anos após a introdução da energia elétrica no início da década de 1880. Demorou até a década de 1920 para que as empresas descobrissem como reestruturar suas fábricas para aproveitar as vantagens da energia elétrica com inovações de fabricação, como a linha de montagem e novos produtos elétricos, como eletrodomésticos. E, enquanto a máquina a vapor de James Watt inaugurou a Revolução Industrial na década de 1780, seu impacto na economia britânica foi imperceptível até a década de 1830 porque seu uso era restrito às poucas indústrias que podiam pagar seus altos custos iniciais.

Brynjolfsson argumenta que a década de 2020 será uma década de inovação e produtividade, uma espécie de anos 20 do século 20, como The Economist a chamou em um artigo no início deste ano. O que explica sua previsão otimista? O artigo da Technology Review cita três razões pelas quais

desta vez em torno da curva J de produtividade será maior e mais rápida do que no passado”, que ele também resumiu na previsão do LongBet.

1. Avanços tecnológicos, especialmente IA.

A IA surgiu como a tecnologia definidora de nossa era, tão transformadora ao longo do tempo quanto a máquina a vapor, eletricidade e TI. Nos últimos anos, os ingredientes necessários finalmente foram reunidos, permitindo que a IA acelerasse o ritmo de descobertas e aumentasse a produtividade em várias áreas, incluindo varejo, finanças, manufatura, energia, biotecnologia e medicina. A computação em nuvem está tornando essas inovações de IA acessíveis a instituições de todos os tamanhos.

2. Estamos nos aproximando da parte crescente da curva J da produtividade.

Além da IA, vários avanços científicos e tecnológicos estão prontos para a transição da fase de investimento da Curva J para a fase de colheita e crescimento da produtividade. Isso inclui inovações digitais como telemedicina, comércio eletrônico e trabalho remoto, cuja implantação foi consideravelmente acelerada pela pandemia. Também inclui inovações revolucionárias em energia renovável e em ciências biomédicas.

Na descoberta e desenvolvimento de medicamentos, novas tecnologias têm permitido aos pesquisadores otimizar o design de novos medicamentos e prever as estruturas 3D das proteínas. Ao mesmo tempo, a tecnologia de vacina inovadora usando um mensageiro RNA, introduziu uma abordagem revolucionária que pode levar a tratamentos muito mais eficazes para muitas doenças.

3. Políticas fiscais e monetárias agressivas dos EUA.

Essas políticas estão criando maiores incentivos para que as empresas implementem melhorias de produtividade.

O recente pacote de medidas de incentivos pós covid-19, provavelmente reduzirá a taxa de desemprego de 5,8% (em maio de 2021) para os níveis historicamente mais baixos, pré-covid em torno de 4%. … Os baixos níveis de desemprego geram salários mais altos, o que significa que as empresas têm mais incentivos para colher os benefícios potenciais da tecnologia para melhorar ainda mais a produtividade.

Quando se junta esses três fatores – os avanços tecnológicos, o estreito cronograma de reestruturação devido ao covid-19 e uma economia funcionando a plena capacidade – os ingredientes estão mais que prontos para um boom de produtividade. Isso não apenas aumentará os padrões de vida/consumo , mas também liberará recursos para uma agenda política mais ambiciosa.

Conte aos amigos