23/01/2021

Preparando alunos para negócios complexos

Por wcalazans

As escolas de engenharia e administração estão preparando adequadamente os alunos para o mundo de negócios altamente complexo e em constante mudança?

Alguns estudos dizem que não. Uma boa educação acadêmica deve incluir competências tanto simples quanto complexas.  As universidades geralmente fazem um bom trabalho quando se trata de ensinar habilidades difíceis – métodos de engenharia, tecnologia, ferramentas analíticas, finanças, marketing e assim por diante.  Mas elas não se saem muito bem com competências consideradas mais ‘simples’, incluindo comunicação, trabalho em equipe e pensamento sistêmico.

Por exemplo, um estudo sobre o ensino de MBA encontrou lacunas significativas entre as competências que as empresas procuram versus o que os alunos aprendem nas escolas de negócios.  As empresas geralmente querem graduados, com MBA, com boas habilidades sociais, que sejam bons em liderança, comunicação e inovação.  No entanto, os alunos frequentemente reclamam que tais habilidades não lhes darão o tipo de trabalho que desejam e pressionam as escolas a oferecer cursos mais funcionais, analíticos e técnicos.  Este estudo específico focou principalmente em programas de MBA, mas as lacunas de habilidades semelhantes também estão presentes em programas de engenharia e outros STEM.

Há três anos, a Escola de Comunicação e Jornalismo Annenberg da USC criou um projeto chamado de Terceiro Espaço, um projeto de pesquisa para entender melhor a natureza das chamadas competências soft que as empresas procuram, bem como os requisitos de talento que não estão sendo atendidos adequadamente pela engenharia e  escolas de negócios.  As descobertas iniciais do projeto foram descritas em um documento: A lacuna de talentos globais de um trilhão de dólares: o que é e o que podemos fazer a respeito, por Ernest Wilson, reitor da Escola Annenberg.

Em sua primeira fase, o estudo conduziu conversas face to face com 75 executivos seniores de empresas em uma ampla gama de setores, incluindo automóveis, consultoria bancária, produtos de consumo e tecnologia.  Pesquisas online foram usadas para coletar dados adicionais.  Várias instituições acadêmicas também foram consultadas.

“Rapidamente percebeu-se que o talento era de longe a questão mais crucial”, escreve Wilson.  “Sem talento, as empresas não podem inovar;  sem inovação, não pode haver crescimento.”

A mensagem mais importante das discussões com os executivos foi que “suas empresas precisavam de talentos essenciais, que estão em falta no mercado.  Além das habilidades tradicionais normalmente fornecidas por negócios e engenharia, os entrevistados vieram, como um grupo, descrever o que passamos a chamar de um Terceiro Espaço povoado por habilidades essenciais mais suaves fornecidas nem por engenharia nem por treinamento de negócios.”  Cinco dessas competências soft foram identificadas:

1. Adaptabilidade: “Demonstrar agilidade mental e resiliência em situações ambíguas;  ser flexível ao lidar com mudanças e menos propenso a confiar em soluções legadas e obsoletas.  Pensar além do preto e branco para as áreas cinzentas e fazer as perguntas certas e expansivas, que levem a melhores soluções. ”

2. Pensamento de 360 graus: “Pensar holisticamente – ser capaz de ver o quadro geral, reconhecer padrões e dar saltos criativos com base nesses padrões.”

3. Curiosidade intelectual: “Ter muita fome de aprender e crescer.  Mostrar o desejo de ir fundo – de ser criativo e disposto a arriscar e experimentar para aprender.”

4. Competência cultural: “Ter a capacidade de pensar, agir e mover-se através de vários limites de funções, silos e culturas globais, incluindo mundos às vezes isolados da engenharia, direito e negócios.”

5. Empatia: “Demonstrar forte inteligência emocional, bem como habilidades eficazes de escuta e colaboração.  Ter habilidades de comunicação superiores.  Ser inteligente, ambicioso, mas humilde o suficiente para ser inclusivo e considerar as opiniões dos outros em uma variedade de disciplinas, culturas e perspectivas.”

Além dessas competências específicas, a equipe de estudo descobriu a necessidade do que eles chamaram de Terceiro Espaço de Pensamento – um nível mais holístico de pensamento que ajuda os indivíduos a examinar problemas complexos de diferentes perspectivas para chegar a soluções mais criativas e prontas para usar.

“pessoas com esta visão mais  holística, conseguem navegar melhor e serem mais efetivos ao tratarem de problemas tanto complexos quanto simples e são capazes de integrar os dois para produzir poder e sutileza em seu pensamento. Esses são, de longe, os executivos mais valiosos.”

Não é de surpreender que essas várias competências e estilos de pensamento exijam excelentes habilidades de comunicação.  Isso inclui ouvir atentamente e levar em consideração as opiniões dos outros;  ajudando a convencer ou encontrar um terreno comum com pessoas que possuem diferentes pontos de vista;  e explicar a solução para um problema complexo ou para uma direção estratégica importante na linguagem mais simples possível.

Comunicação eficaz é muito importante, ao lidar com transformações disruptivas.  Às vezes esquecemos que, embora sejam empolgantes, as inovações disruptivas são de fato disruptivas, não apenas no mercado, mas também para indivíduos e grupos em nossa própria organização.  Mudar pode ser muito difícil para muitas pessoas, pois estão sendo solicitadas a entrar em um território desconhecido. 

  • Elas têm as habilidades necessárias para o que está por vir? 
  • Como elas se sairão pessoalmente no novo ambiente?

A cultura da instituição pode não ser capaz de se expandir o suficiente para implementar as mudanças necessárias, mesmo quando a própria sobrevivência da organização possa estar em jogo.

Na segunda fase, a equipe do Third Space Annenberg fez parceria com a Korn Ferry, – a maior empresa de busca de executivos do mundo, – e foi, portanto, capaz de testar suas conclusões iniciais analisando um banco de dados de quase 1.900 executivos com uma ampla gama de profissionais.  Ao combinar informações qualitativas e quantitativas, o estudo confirmou que as empresas realmente exigem habilidades além daquelas que a engenharia, programas de MBA e escolas de comunicação estão ensinando atualmente.

Essas lacunas são conhecidas há algum tempo e estão sendo abordadas, – em maior ou menor grau, – em departamentos de engenharia e escolas de negócios.  Mas a situação é um pouco diferente em comunicações e disciplinas relacionadas. 

“Esta área de estudo é mais nova e menor, um amálgama de diferentes tradições (humanas, ciências sociais, retórica, estudos culturais) e uma ampla gama de focos empíricos (da tecnologia à estrutura das indústrias de mídia, gênero e impactos na mídia)  … O campo como um todo é menos conhecido do que negócios e engenharia ”, escreve Dean Wilson.

“A boa notícia é que o estudo das comunicações produz uma compreensão rica de textos, respeito pela natureza mutável das audiências, a natureza problemática de simplesmente enviar uma mensagem e atenção especial à cultura em todas as suas formas.”

“A má notícia é o outro lado: a heterogeneidade de abordagens significa que não há um cânone fixo amplamente aceito de ideias centrais.  É muito mais um menu de ideias e métodos do que algo concreto.  Alguns professores de comunicação vão abraçar o Third Space Thinking;  mas muitos não o farão, deixando os benefícios para graduados em cursos de comunicação”.

“Um segundo desafio é que grande parte da comunicação vem da retórica e das tradições humanas;  em contraste com negócios e engenharia, não há uma longa tradição de cooperação nas comunidades de comunicação.  As escolas de negócios trabalham em estreita colaboração com as empresas, de startups a grandes corporações.  As escolas médicas colaboram com os médicos.  Professores em escolas de engenharia costumam fazer parcerias com suas comunidades de práticas.  Esse envolvimento, infelizmente, é menos provável com professores de comunicação.”

Há muito a ser feito pelas empresas e pela academia para lidar com essas lacunas de talentos. 

“No final das contas, as faculdades e universidades precisam revisar seus currículos para criar um suprimento constante de pessoas que tenham combinação de habilidades do Terceiro Espaço que possam preencher funções de liderança colaborativa imediatamente após a formatura.  E as empresas precisam trabalhar muito para localizar, promover e reter esses valiosos trabalhadores, garantindo que eles não fiquem trancados em silos, mas sim espalhados por funções organizacionais onde possam fazer e dar o melhor.”

Conte aos amigos