Blockchain e os ativos do mundo real

O Blockchain apareceu pela primeira vez em 2008 como a arquitetura do bitcoin, a criptomoeda mais conhecida e amplamente difundida. 

É uma arquitetura realmente brilhante. construída com base em pesquisas fundamentais de décadas em criptografia, dados distribuídos, teoria dos jogos e outras tecnologias avançadas. A visão original do blockchain limitava-se a permitir que os usuários de bitcoin realizassem transações diretamente entre si, sem a necessidade de uma instituição financeira ou agência governamental certificar a validade das transações.  Mas, como a Internet e outras tecnologias transformadoras, o blockchain agora transcendeu seus objetivos originais.

Blockchains são um tipo de tecnologia de contabilidade distribuída (Distributed Ledger Technologies), que também inclui DLTs não blockchain. Na última década, um número crescente de pessoas, inclusive eu, passou a considerar blockchains e DLTs como os próximos passos na evolução da Internet. Em 2016, o Fórum Econômico Mundial (WEF) nomeou O Blockchain em sua lista anual das Dez principais tecnologias emergentes citando seu potencial para mudar fundamentalmente a maneira como os mercados e os governos funcionam.

Assim como a Internet, o blockchain é uma infraestrutura global aberta sobre a qual outras tecnologias e aplicativos podem ser construídos”, disse o WEF. “E, como a Internet, permite que as pessoas ignorem os intermediários tradicionais em suas negociações, reduzindo ou mesmo eliminando os custos de transação.

A Internet é uma plataforma de rede de uso geral que permitiu grandes inovações e valor econômico ao reduzir significativamente o custo das conexões e oferecer suporte a uma grande variedade de aplicativos.  A principal razão para sua capacidade de oferecer suporte a tantos tipos diferentes de aplicações é que os fundamentos da Internet, sua camada TCP-IP, mantiveram sua missão básica de transporte de dados, ou seja, apenas mover bits. Ela não controla o significado dos bits ou o que eles estão tentando realizar.

As decisões de design que moldaram a Internet em meados da década de 1980 não otimizavam a segurança, a privacidade ou a capacidade de autenticar transações entre duas ou mais partes; isso fica sob responsabilidade das aplicações, executadas no topo da camada TCP/IP, e cada aplicação faz isso do seu jeito, e às vezes, não faz nada. Não é surpresa que, a falta de padrões de segurança, privacidade e integridade transacional, têm sido os maiores desafios enfrentados pela Internet em nossa economia digital.

O Blockchain promete nos ajudar a melhorar a segurança e a integridade da Internet desenvolvendo uma malha de middleware, acima da camada TCP/IP, adicionando serviços de segurança, privacidade e transação necessários, fornecendo implementações de software de código aberto desses serviços, de forma padronizada, permitindo que todas as plataformas e aplicativos suportem o blockchain.

Lembremos também que a Internet é uma ‘rede de redes’, um sistema global de redes interconectadas, todas usando os mesmos protocolos de comunicação TCP/IP. O uso da Internet decolou em meados da década de 1980, à partir do momento que houve um acordo sobre a padronização de uso dos protocolos TCP/IP, com implementações de código aberto dos protocolos que todos poderiam usar e o estabelecimento da Força-Tarefa de Engenharia da Internet (IETF) para supervisionar o uso e o padrão da evolução da Internet.

O Blockchain ainda não está nesta fase. Existem várias plataformas blockchain em amplo uso, como Ethereum e Hyperledger. Eles são todos baseados no design original de 2009, mas com algumas variações e interoperabilidade limitada. Vários grupos têm trabalhado em padrões de blockchain e interoperabilidade entre plataformas, incluindo ISO e IETF. Mas, embora os padrões e a interoperabilidade sejam necessários, eles não são suficientes. Para que o blockchain alcance um amplo sucesso comercial, é absolutamente necessário integrar soluções emergentes de blockchain e DLT com sistemas de TI legados que as instituições vêm desenvolvendo nas últimas décadas.

A inovação da tecnologia blockchain leva a uma questão importante sobre como os sistemas digitais legados, operados por empresas, governos e instituições, serão afetados”, disse Bridging the Governance Gap, um white paper recente do WEF. 

Atualmente, as respostas para essa pergunta variam de um extremo (‘todos os sistemas legados serão substituídos’) para o outro (‘DLT é muito lento e não comprovado para realmente substituir qualquer sistema legado em funcionamento’). No entanto, a resposta final pode estar em algum lugar, no meio termo, onde a utilidade de sistemas legados eleitos, possam ser atualizados, pela integração DLT, e as soluções DLT permitam um crescimento na adoção corporativa.

O white paper argumentou que duas tecnologias principais são necessárias para permitir a interoperabilidade entre blockchain/DLT e sistemas de TI legados:

  1. Contratos inteligentes: acordos autoexecutáveis embutidos em código digital, que são acionados com base em eventos predefinidos sem intervenção humana.
  2. Oracles: middlewares seguros que conectam os mundo autônomos de blockchains e contratos inteligentes baseados em blockchain com o mundo externo, incluindo sistemas de TI legados.

A razão principal e predominante para a interoperabilidade do legado DLT é permitir que contratos inteligentes (on-chain) usem um oracle para buscar informações de um sistema legado (off-chain), formatá-lo, validá-lo e armazená-lo no blockchain onde pode ser usado para acionar algum tipo de acordo”, acrescenta o white paper do WEF. “O caso de uso reverso também existe, em que informações on-chain ou algum tipo de comando de um contrato inteligente são enviados para um sistema externo que as usa para processamento adicional ou para atuar no mundo real.

Um artigo de pesquisa recente, Towards Blockchain-enabled Open Architectures for Scalable Digital Asset Platforms, de Denis Avrillionis e Thomas Hardjono, propôs uma estrutura muito interessante para interoperabilidade DLT-legada. As entradas em uma blockchain ou DLT devem ser vistas como a representação digital de um ativo do mundo real, seja digital ou físico, com o objetivo de proteger sua integridade ao longo do ciclo de vida do ativo. O documento apresenta o conceito de gêmeo digital para garantir o estado consistente entre um ativo do mundo real fora da cadeia e sua representação DLT na cadeia, bem como uma camada de software de mediação correspondente que fica entre os dois mundos, – o gêmeo digital  recipiente.

O conceito de gêmeo digital tem sido usado por empresas de engenharia na última década para rastrear o estado de um objeto físico complexo, – como um motor a jato, um elevador, uma turbina eólica, um scanner de ressonância magnética – para antecipar possíveis problemas e agendar a manutenção preventiva antes que os problemas ocorram. O gêmeo digital de cada objeto é um modelo de computador altamente realista do objeto físico específico que está sendo rastreado. As enormes quantidades de dados operacionais coletados de sensores IoT incorporados ao objeto, – por exemplo, um motor a jato transmitindo dados enquanto o avião está em vôo, – possibilita que o modelo do objeto espelhe com precisão seu estado quase em tempo real.

Um contêiner de gêmeo digital é utilizado para permitir a persistência de estado fora da cadeia e a rastreabilidade de estado na cadeia, onde o contêiner pode ser implantado no blockchain, bem como em servidores de aplicativos tradicionais”, observam Avrillionis e Hardjono. “O contêiner de gêmeo digital se torna  a ponte entre as infraestruturas legadas e as infraestruturas de blockchain recém-emergentes, permitindo que os sistemas legados interoperem de forma consistente com os sistemas blockchain.

Acreditamos que um novo e mais amplo paradigma computacional é necessário para sustentar e abranger transações de ativos digitais baseadas em blockchain. Esse novo paradigma deve permitir que os ativos entrem e saiam de blockchains e sistemas legados sem problemas. Ele também deve permitir que dados fora da cadeia e outras informações de estado relacionadas a ativos em formato digital sejam acessíveis pelo contrato inteligente. Além disso, os cálculos que ocorrem em sistemas legados também devem ser possíveis em coordenação com contratos inteligentes.

Por exemplo, se um aplicativo procura modificar o estado de um ativo, ele deve garantir que o ativo do mundo real, – como uma conta bancária, registro médico, certificado de propriedade imobiliária ou modelo de computador de um objeto físico, – e sea respectiva representação de gêmeos digitais no blockchain ou DLT, sejam totalmente sincronizados. “Essa sincronização contínua é realizada para evitar que mudanças na propriedade do ativo no blockchain sejam conduzidas sem uma mudança de estado correspondente no ativo do mundo real.

O artigo põe em check estratégias de e-business legadas, principalmente, aquelas mais antigas, implementadas no começo da Internet e que evoluíram para sistemas complexos, que hoje permitem que empresas possam interagir com seus clientes, fornecedores, parceiros de negócios e funcionários de uma maneira muito mais produtiva e eficiente, simplesmente integrando seus aplicativos legados e bancos de dados com as tecnologias emergentes da Internet e da Web. O mundo dos negócios foi assim capaz de abraçar rapidamente a Internet, o que levou a uma série de grandes inovações nas décadas seguintes. Da mesma forma, os atuais esforços de interoperabilidade entre as tecnologias blockchain/DLT e a base agora muito maior de sistemas de TI legados, facilitarão a adoção comercial dessas tecnologias e levarão a grandes inovações futuras.

Conte aos amigos

Deixe um comentário

Arquivos

Categorias