14/03/2021

O trabalho de qualquer lugar veio para ficar?

Por wcalazans

O trabalho remoto já existe há algumas décadas, mas decolou em meados da década de 1990 com o crescimento massivo da Internet. Havia previsões de que a Internet levaria ao declínio das cidades, porque a tecnologia estava tornando a localização menos relevante para nosso trabalho e vida pessoal. Por que alguém escolheria morar em uma área metropolitana cara e estressante e suportar uma longa e estressante viagem diária? No entanto, em vez de declinar, as cidades continuaram a crescer e atrair profissionais talentosos e ambiciosos do setor do conhecimento e a gerar maiores níveis de atividade econômica e inovação.

Mesmo antes da pandemia, “um movimento estava se formando dentro das organizações”, escreveu o professor de Harvard Prithwiray (Raj) Choudhury em um artigo recente da Harvard Business Review, Our Work-from-Anywhere Future.

A tecnologia pessoal e a conectividade digital avançaram tanto e tão rápido que as pessoas começaram a se perguntar: ‘Será que realmente precisamos estar juntos, em um escritório, para fazer nosso trabalho?‘”

Esse tipo de questão já estava sendo debatida antes da pandemia, mas ganhou corpo e forma quando realmente houve a necessidade de se trabalhar remotamente, por causa do Corona Vírus.

Obtivemos respostas durante a pandemia. Aprendemos que muitos de nós, na verdade, não precisam estar no escritório, com colegas em um local específico para fazer nosso trabalho. Indivíduos, equipes, forças de trabalho inteiras podem ter um bom desempenho enquanto estão totalmente distribuídos – e eles têm.

Portanto, agora enfrentamos novas questões: As organizações totalmente remotas ou em sua maioria remotas, são o futuro do trabalho?

O trabalho de qualquer lugar (Work From Anywhere) veio para ficar?

Para entender melhor as respostas a essas perguntas, Choudhury estudou várias empresas que adotaram o modelo WFA, como o US Patent and Trademark Office (USPTO). Um artigo recente de sua coautoria avaliou a experiência do USPTO.

Em 2006, o USPTO introduziu um programa voluntário Work-from-Home (WFH) com um grupo inicial de 500 examinadores de patentes. Os participantes desse programa deveriam estar fisicamente presentes na sede, no norte da Virgínia, pelo menos um dia por semana. Então, em 2012, o USPTO lançou um piloto WFA. Os examinadores de patentes estavam elegíveis para o piloto WFA se tivessem passado dois anos na sede, seguido pela participação no programa WFH. Os selecionados para o piloto WFA poderiam então morar em qualquer parte dos Estados Unidos continental, desde que concordassem em renunciar aos seus direitos de serem reembolsados pelas viagens necessárias de volta à sede, que eram limitadas a cinco por ano.

Estudos detalhados descobriram que o WFA oferece uma série de benefícios para indivíduos, organizações e sociedade. Ao mesmo tempo, as preocupações sobre os impactos potencialmente negativos da WFA também foram abordados.

Deixe-me resumir algumas dessas descobertas.

Benefícios do WFA

Para os indivíduos. “Uma das descobertas mais surpreendentes é como os trabalhadores se beneficiam desses acordos”, escreveu Choudhury. “Muitos disseram que consideram a liberdade de viver em qualquer lugar do mundo uma vantagem importante.” O custo de vida melhora significativamente. “Como o USPTO não ajustou os salários de acordo com o local escolhido pelos funcionários, um examinador de patentes afirmou: ‘Consegui comprar uma grande casa em meu novo local por cerca de um quarto do custo no norte da Virgínia’”. morar perto de amigos e familiares é outro grande benefício, assim como a flexibilidade que oferece aos funcionários que são pais e responsáveis.

Para o número crescente de famílias com dupla carreira, o WFA “alivia a dor de procurar dois empregos em um único local. Uma outra examinadora de patentes também confirmou: ‘Sou cônjuge de um militar, o que significa que vivo em um mundo com mudanças frequentes e adaptações pessoais que impedem muitos cônjuges de seguirem carreiras de sua escolha. O WFA tem sido o programa de teletrabalho mais significativo que encontrei. Isso permite seguir meu marido para qualquer estado dos EUA a qualquer momento e buscar minhas próprias aspirações de contribuir para minha casa e sociedade.’”

Para organizações. Os participantes do WFA valorizam claramente a maior flexibilidade na definição de suas horas de trabalho e o tempo adicional para evitar uma viagem diária para um escritório, que o Census Bureau estima, para os trabalhadores dos EUA, quase 30 minutos em cada sentido diariamente, ou cerca de 225 horas por ano. Maior satisfação no trabalho leva a amplos benefícios para a organização. Por exemplo, eles aumentam o engajamento dos funcionários – uma importante métrica de sucesso para qualquer empresa. Em 2013, um ano depois de instituir o trabalho de qualquer lugar, o USPTO obteve a melhor classificação na pesquisa de satisfação – As Melhores Empresas para Trabalhar no Governo Federal.”

Trabalhadores mais felizes também são mais produtivos. O programa WFA do USPTO aumentou a produtividade individual em 4,4% em comparação com o programa WFH, conforme medido pelo número de patentes examinadas a cada mês.

Além de aumentar a satisfação no trabalho e a produtividade de seus funcionários, outro atrativo para os empregadores é a redução dos custos imobiliários. O USPTO estima que eles economizaram mais de US $ 38 milhões em espaço para escritórios.

Além disso, as empresas têm acesso a um grupo maior de funcionários talentosos que podem não ter recursos para se mudar para cidades caras ou preferem não fazê-lo por motivos familiares ou outros. Além disso, após a pandemia, as organizações precisarão repensar a questão de funcionários que podem hesitar com a ideia de viajar diariamente e trabalhar em um escritório, onde as pessoas estão aglomeradas.

Para a sociedade. Um relatório da McKinsey de 2019 descobriu que, mesmo nos Estados Unidos, há várias Américas, cada uma com padrões econômicos muito diferentes e em trajetórias nitidamente diferentes, algumas caminhando para um futuro positivo e empolgante, enquanto outras caminham para o negativo.

O estudo concluiu que o crescimento líquido do emprego até 2030 provavelmente se concentrará em áreas urbanas e centros de inovação de alto crescimento, enquanto grande parte do resto do país poderá ver um pequeno crescimento do emprego ou até mesmo perder empregos. Em particular, pequenas cidades e condados rurais podem ter uma década de crescimento líquido do emprego muito baixo ou mesmo negativo.

O trabalho de qualquer lugar (Work From Anywhere) tem o potencial de amenizar essa fuga de pessoas, permitindo que as pessoas voltem e trabalhem de suas cidades natais. Algumas localidades como Tulsa estão fazendo um esforço concentrado para atrair trabalhadores remotos, apontando que o aluguel médio de um apartamento de dois quartos em Tulsa é de meros US $ 675, em comparação aos US $ 4.128, na época anterior à Covid, em San Francisco. Choudhury cita o exemplo de Tulsa Remote, que foi estabelecida “para atrair pessoas, com vontade de trabalhar e voltados para a comunidade de uma cidade que ainda está se recuperando de distúrbios raciais históricos de um século atrás. Com uma oferta de US $ 10.000 para se mudar para Tulsa, a empresa atraiu mais de 10.000 inscrições para apenas 250 vagas de 2019 a 2020 … Novatos talentosos de várias etnias estão, sem dúvida, tornando a cidade mais multicultural.”

Resolvendo Preocupações do WFA

“O escritório – com suas salas de reuniões, áreas de descanso e oportunidades para interação formal e informal – tem sido um modo de trabalho por tanto tempo que é difícil imaginar-se longe dele. E existem obstáculos legítimos para tornar o trabalho totalmente remoto não apenas gerenciável, mas bem-sucedido. No entanto, o experimento totalmente remoto do Covid-19 ensinou muitas organizações que trabalham com conhecimento e seus funcionários que, com tempo e atenção, essas preocupações podem ser resolvidas. E várias recomendações e práticas já estão surgindo.” E incluem:

Comunicações, brainstorming e resolução de problemas. Como as comunicações síncronas são mais difíceis, quando os funcionários são distribuídos, as organizações WFA devem aprender como se sentir mais confortáveis com as comunicações assíncronas, usando ferramentas de colaboração e vídeo chamadas.

Compartilhamento de conhecimento. Muito do conhecimento aplicado, do local de trabalho, está na cabeça das pessoas e não foi codificado ou escrito. Isso é um problema para todas as organizações, mas é ainda mais difícil quando os colegas estão trabalhando remotamente e não podem simplesmente fazer uma pergunta para esclarecer uma dúvida e resolver um problema.

As empresas podem resolver isso com documentação transparente e de fácil acesso.” Embora isso crie trabalho extra para os funcionários, codificar o conhecimento e compartilhar informações “são compensações necessárias para permitir a flexibilidade geográfica”.

Avaliação de desempenho e compensação. “Como se pode avaliar funcionários com os quais você nunca está fisicamente, especialmente em métricas importantes, como habilidades interpessoais? Empresas totalmente remotas avaliam os trabalhadores remotos de acordo com a qualidade de seu trabalho, a qualidade das interações virtuais e o feedback de clientes e colegas”.

Socialização, camaradagem e orientação. Outra grande preocupação é o potencial de trabalhadores remotos se sentirem “desconectados dos colegas e da própria empresa, especialmente em organizações onde algumas pessoas trabalham presencialmente no escritório e outras não”. Os trabalhadores remotos muitas vezes se sentem isolados social e profissionalmente do fluxo de informações de que fariam parte em um escritório físico. As empresas precisam abordar cuidadosamente essas preocupações.

Muitas organizações WFA confiam na tecnologia para ajudar a facilitar encontros virtuais e ‘interações planejadas aleatórias’, por meio das quais alguém na empresa programa grupos de funcionários para conversar online.

Uma outra solução que está sendo pensada é de realizar “eventos presenciais temporários”, após a pandemia, onde todos os trabalhadores passem alguns dias com os colegas pessoalmente para socialização e orientações.

Conte aos amigos