O valor econômico de uma identidade digital

A identidade desempenha um papel importante em nossa vida cotidiana. É a chave que determina as transações específicas nas quais podemos participar de forma legal, bem como as informações que temos direito a acessar. Pense em ir a uma empresa, entrar em um avião, acessar um site ou fazer uma compra online. Geralmente, não prestamos muita atenção no uso de nossas identidade, a menos que algo dê muito errado.

Durante boa parte da história, nossos sistemas de identidade foram baseados em interações face a face e em documentos e processos físicos.

A transição para uma economia digital requer sistemas de identidade radicalmente diferentes. Em um mundo cada vez mais governado por transações e dados digitais, nossos métodos para gerenciar segurança e privacidade estão se mostrando inadequados. Violações de dados, fraudes em larga escala e roubo de identidade tornaram-se comuns. Além disso, uma parcela significativa da população mundial não possui as credenciais necessárias para participar da economia digital. Nossos métodos para gerenciar identidades digitais estão longe de ser adequados.

O McKinsey Global Institute lançou o Digital Identification: uma chave para crescer de forma inclusiva – um relatório abrangente com mais de 100 páginas que examinava o estado das identidades digitais em todo o mundo.

O relatório analisou o potencial da criação de valor das boas IDs (identidades) digitais para indivíduos e instituições, bem como os seus riscos e desafios. A análise da McKinsey levou em conta quase 100 usos concretos de IDs digitais em sete países: Brasil, China, Etiópia, Índia, Nigéria, Reino Unido e EUA.

De acordo com McKinsey, um “bom” ID digital deve ter quatro atributos principais:

  1. Verificação e autenticação com um alto grau de garantia: O ID atende aos padrões do governo e do setor privado para diversos usos cívicos e econômicos importantes nos canais digitais;
  2. Único: “um indivíduo tem apenas uma identidade dentro de um sistema, e toda identidade do sistema corresponde a apenas um indivíduo;”
  3. Estabelecer o consentimento individual: “os indivíduos registram-se conscientemente e usam o ID digital com conhecimento de quais dados pessoais serão capturados e como serão usados;” e
  4. Protege a privacidade do usuário e garante o controle sobre dados pessoais: inclui forte proteção de privacidade e segurança, ao mesmo tempo em que fornece aos usuários acesso e controle sobre quem pode acessar seus dados.

O Banco Mundial estima que das 7,6 bilhões de pessoas no planeta, cerca de um bilhão não possui uma forma de identificação legalmente reconhecida, 3,4 bilhões têm alguma forma de identificação legalmente reconhecida, mas com capacidade limitada de usá-la através de canais digitais e 3,2 bilhões possuem uma identificação legal, reconhecida que lhes permitem participar totalmente da economia digital. Nos países de baixa renda, 45% das mulheres com mais de 15 anos não têm identificação, em comparação com 30% dos homens.

Os IDs digitais prometem permitir a criação de valor econômico para cada um desses três grupos. Para aqueles que não possuem qualquer forma de identificação legalmente reconhecida, uma identificação digital representa um caminho para a rápida inclusão na economia digital, incluindo acesso a serviços financeiros, benefícios governamentais e mercado de trabalho. Por exemplo, de acordo com o Banco Mundial, uma identificação digital pode ajudar a fornecer acesso a serviços financeiros para os 1,7 bilhão de indivíduos que atualmente não têm esse acesso, e potencialmente economizar cerca de 110 bilhões de horas, em serviços eletrônicos simplificados do governo, para transferências diretas de benefícios.

Para os 3,4 bilhões de indivíduos com capacidade limitada de usar sua identificação física no mundo digital, a capacidade de usar um ID digital para autenticação permitiria que eles aproveitassem as eficiências e outros benefícios advindos do acesso a uma ampla variedade de aplicativos digitais, incluindo governo eletrônico e serviços de saúde.

E, para os 3,2 bilhões de indivíduos que já participam da economia digital, as boas novas são que os IDs digitais podem melhorar seu controle, privacidade e segurança sobre seus dados e transações, ajudando a reduzir o número crescente de violações de segurança cibernética.

“Por exemplo, em 2017, US $ 16,8 bilhões foram perdidos nos Estados Unidos devido a fraudes de identidade e, desde 2013, mais de 6,2 bilhões de registros de dados de clientes foram violados somente nos Estados Unidos.”

O relatório da McKinsey analisou o potencial impacto econômico da identificação digital nos sete países-foco e extrapolou os resultados para um conjunto mais amplo de 23 países, cobrindo 63% da população global e 78% do PIB global. O relatório mostrou ainda que o potencial do valor econômico da identificação digital é diferente nas economias emergentes e nas maduras. Para as economias emergentes, o potencial médio de criação de valor da identificação digital é equivalente a 6% do PIB até 2030; para economias maduras, a criação média de valor é equivalente a 3% do PIB até 2030.

Para a maioria das economias emergentes, o escopo de melhoria é bastante considerável, mesmo com implantações básicas de ID baseadas principalmente na autenticação e verificação. Para economias maduras onde muitos processos e aplicativos já são digitais, as melhorias exigem a implantação de programas de identificação digital mais avançados, como a ativação de recursos de compartilhamento de dados entre instituições.

O potencial econômico pode diferir significativamente entre os países com base em dois fatores principais: a parcela da economia restringida por gargalos que a identificação digital pode resolver e desbloquear, como benefícios do governo e gastos com saúde; e o potencial de criação de valor, permitindo uma ampla variedade de interações digitais em toda a economia.

A McKinsey estima que mais da metade do valor econômico da identificação digital será acumulado para indivíduos em uma variedade de funções, incluindo consumidores, trabalhadores e proprietários de ativos. O valor econômico restante flui para as instituições do setor público e privado com as quais os indivíduos interagem, como fornecedores de bens e serviços, empregadores e fornecedores de benefícios governamentais.

Os maiores contribuintes para o valor econômico são o acesso a serviços financeiros e emprego. Os IDs digitais, por exemplo, permitem o acesso a contas bancárias digitais e a plataformas de contratação e correspondência de talentos. As maiores fontes de valor para empresas e instituições governamentais são economia de tempo e custo, redução de fraudes, aumento de vendas de bens e serviços, maior produtividade do trabalho e maior receita tributária.

A oportunidade de expandir o uso de ‘bons’ IDs digitais está crescendo, à medida que as tecnologias melhoram e se tornam mais acessíveis, e à medida que mais pessoas em todo o mundo têm acesso a smartphones e à Internet. Mas, como outras inovações, as tecnologias de identificação digital podem ser usadas para beneficiar a sociedade e para outros fins indesejáveis.

“O Digital ID oferece benefícios sociais, cívicos e políticos aos indivíduos, desde maior inclusão, formalização e transparência até melhor controle dos dados online. Projetado com cuidado e dimensionado para altos níveis de adoção, também pode criar um valor econômico significativo, particularmente em economias emergentes, com benefícios para indivíduos e instituições. No entanto, esse potencial, gera risco de uso indevido deliberado de programas de identificação digital por atores governamentais e comerciais, além de riscos mais amplos comuns a outras interações digitais em larga escala, como falhas de tecnologia e violações de segurança. Esses riscos devem ser levados em consideração no design, implementação e governança de qualquer sistema de identificação digital. À medida que o cenário evolui, mais pesquisas ajudarão a esclarecer as vantagens e desvantagens da identificação digital, e se o esforço valerá a pena. Afinal, a identificação digital pode ser a próxima fronteira na criação de valor global e uma nova força para o crescimento inclusivo.”

Conte aos amigos

Deixe uma resposta