05/09/2021

O trabalho e o otimismo pós-pandêmico

Por wcalazans

Os bloqueios induzidos pela pandemia de COVID-19 e a recessão global relacionada de 2020 criaram uma perspectiva altamente incerta para o mercado de trabalho … milhões de pessoas passaram por mudanças que transformaram profundamente suas vidas dentro e fora do trabalho, seu bem-estar e sua produtividade,

Dito pelo Fórum Econômico Mundial (WEF) no The Future of Jobs Report, publicado em outubro de 2020.

Comparando o impacto da Crise Financeira Global de 2008 em indivíduos com níveis de educação mais baixos, com o impacto da crise COVID-19, o impacto hoje é muito mais significativo e tem mais probabilidade de aprofundar as desigualdades existentes”.

The Economist foi consideravelmente mais otimista em uma reportagem especial sobre O Futuro do Trabalho na edição de 10 de abril, que incluiu vários artigos sobre o assunto.

Uma retomada de empregos, mudanças políticas e tecnológicas podem trazer uma era de ouro para o trabalho nos países ricos”, disse o artigo.

Pode parecer prematuro prever um mundo maravilhoso para o trabalho apenas um ano depois de uma catástrofe global. Mas a América está mostrando como os empregos podem voltar rapidamente à medida que o impacto do vírus diminui. Em Maio de 2020, a taxa de desemprego do país era de quase 15%. Em Junho 2021 já é de apenas 6%; um dos melhores meses para contratações da história.

A principal razão para a perspectiva otimista do The Economist é que, à medida que o mercado de trabalho se recupera, duas mudanças mais profundas estão ocorrendo:

  • Um ambiente político mais amigável para os trabalhadores, não visto há décadas; e
  • Uma economia digital acelerada que promete gerar um crescimento mais rápido da produtividade.

Ambiente político – Trabalhadores em todo o mundo tiveram um ano muito difícil. Mas o futuro vai ser bom

A Covid-19 teve um impacto terrível sobre os trabalhadores do mundo. O desemprego aumentou para os níveis vistos pela última vez na década de 1930, especialmente entre os trabalhadores menos qualificados. A pandemia também acentuou as desigualdades existentes. Enquanto os trabalhadores de escritórios puderam se proteger trabalhando em casa, os trabalhadores da saúde, alimentos, agricultura, transporte e serviços essenciais

tiveram que continuar se deslocando para seus locais de trabalho, expondo-se ao vírus e morrendo em grande número.”

Antes do advento da pandemia, tanto a direita quanto a esquerda sentiam que

os trabalhadores do século 21 estavam presos a empregos inseguros e mal pagos, quando conseguiam um emprego – e que muitos enfrentavam um futuro ainda mais desafiador, vendo suas vagas sendo absorvidas por robôs cada vez mais inteligentes.

No entanto, com base em dados de 37 países da OCDE, The Economist argumenta que as percepções populares sobre o mundo do trabalho têm sido enganosas. Em 2019, por exemplo, a taxa de desemprego nos países da OCDE foi a menor, desde a década de 1960.

Na América, o desemprego entre os negros foi o mais baixo de todos os tempos, assim como na Grã-Bretanha. O desemprego juvenil, que antes parecia sem solução (especialmente na Europa), também caiu.”

Além disso, a participação de pessoas de 16 a 64 anos empregadas, atingiu o nível mais alto em mais da metade desses países.

Uma grande surpresa para muitos economistas da direita foi que esse boom de empregos ocorreu mesmo com o aumento dos salários mínimos em todo o mundo, considerado economicamente rico e com o aumento da imigração. Um choque semelhante para a esquerda, foi que o capitalismo estava proporcionando ganhos claros para aqueles que estavam na extremidade inferior do mercado de trabalho.

Embora os salários não estivessem subindo tão rápido quanto muitos gostariam, no final de 2019 os ganhos cresciam quase 3% ao ano nos países da OCDE, e

Os salários dos americanos mais mal pagos aumentavam 50% mais rápido do que os dos mais bem pagos.

De acordo com uma pesquisa recente do Gallup, a proporção de americanos completamente ou um pouco satisfeitos com seus empregos está entre as mais altas desde que o Gallup começou a fazer pesquisas de satisfação no local de trabalho, em 1993.

O mercado de trabalho antes de covid-19 estava longe de ser perfeito, mas era melhor do que muitos críticos afirmavam – e estava melhorando ainda mais. A pandemia foi uma catástrofe para muitos, … Mas seu legado pode ser um mundo melhor para o trabalho, pois acelera as mudanças que já estavam em andamento e destaca os lugares onde melhorias adicionais são necessárias”.

Tecnologia e automação – Recessões e pandemias aceleram a automação. No entanto, os avisos de um futuro sem empregos são exagerados

Muitas pessoas esperam que a pandemia acelere a automação”, observa The Economist.

“Há inúmeras histórias de robôs trazidos para trabalhar no setor de limpeza para conter os riscos de infecção, de matadouros automatizados a entregas de bagagem automatizadas por robôs em aeroportos. Esta onda de automação, temida por muitos, eliminará empregos, especialmente para aqueles com habilidades menos comercializáveis, o que significa mais desemprego e desigualdade. … As recessões, ao longo da história, costumam levar a uma explosão de automação e esta não será a última … que levará o mundo à mais falta de empregos.”

The Economist tentou rastrear algumas evidências de aceleração da automação, mas o que eles encontraram na verdade apontava para a conclusão oposta:

As importações americanas de robôs industriais caíram 3% em 2020”;

O crescimento dos gastos com automação desacelerou em 2020”; e

Rockwell Automation, a maior empresa do mundo dedicada à automação industrial, viu uma queda nas vendas de 5,5% no ano passado.

Se uma onda de robôs destruidores de empregos induzida por uma pandemia não acontecer, isso é apenas mais um exemplo de medos equivocados sobre as máquinas.

Esses temores não são novos, remontando aos chamados Luditas, – trabalhadores têxteis que na década de 1810 destruíram as novas máquinas que ameaçavam seus empregos e continuaram a ressurgir no século 20, junto com os avanços da tecnologia. Em um ensaio de 1930, o economista inglês John Maynard Keynes escreveu sobre o aparecimento de

uma nova doença” que ele chamou de desemprego tecnológico, ou seja, “desemprego devido à nossa descoberta de meios de economizar o uso da mão de obra ultrapassando o ritmo em que podemos encontrar novos usos para o trabalho.

Os temores da automação aumentaram compreensivelmente nos últimos anos, à medida que as máquinas, cada vez mais inteligentes, agora estão sendo aplicadas a atividades que exigem inteligência e capacidades cognitivas que eram vistas como domínio exclusivo dos humanos.

A inovação tecnológica sempre gerou mais empregos de longo prazo, não menos. Mas as coisas podem mudar”, disse um artigo da Economist de janeiro de 2014.

Hoje em dia, a maioria dos economistas dispensa essas preocupações. … No entanto, alguns temem que uma nova era de automação habilitada por computadores cada vez mais poderosos e capazes, possa funcionar de forma diferente.”

Uma das principais razões para esses temores recorrentes é a chamada falácia do bloco de trabalho, o equívoco de que há uma quantidade finita de trabalho, portanto, se algum for automatizado, há menos para fazer. A automação de fato substitui o trabalho. No entanto, a automação também complementa a mão-de-obra, aumentando os resultados econômicos de maneiras que muitas vezes levam a mais empregos de longo prazo, não menos. Automatizar as partes mais rotineiras de um trabalho frequentemente aumentará a produtividade e a qualidade dos trabalhadores, complementando suas habilidades com computadores e robôs, além de permitir que eles se concentrem nos aspectos do trabalho que mais precisam de sua atenção.

Ainda é cedo pra dizer se a pandemia irá fazer com que robôs tomem mais e mais empregos das pessoas. Mas alguns acreditam que desta vez será diferente. A tecnologia é tão sofisticada que é difícil dividir os trabalhos entre os que podem e os que não podem ser automatizados. … Talvez, então, este seja um ponto de inflexão para o relacionamento dos humanos com as máquinas. Se há algo que pode causar uma mudança tão grande nos mercados de trabalho, essa coisa seria uma pandemia, por exemplo, que ocorre uma vez a cada geração. Mesmo assim, dada a história de previsões bizarras e fracassadas, é difícil, por princípio, levar as piores previsões muito a sério.

As pessoas tendem a ficar sentimentais sobre como o trabalho costumava ser, e; mal-humoradas sobre como ele é; e sobre temores do que pode se tornar”, conclui The Economist.

Conte aos amigos