O que podemos esperar da inovação nesta nova década?

Em 16 de janeiro de 2021, o The Economist fez esta pergunta, título do post, em sua edição.

A década de 2010 foi péssima para a inovação”, observa o artigo.

O crescimento da produtividade foi fraco e as invenções mais populares, o smartphone e a mídia social, não pareceram ajudar muito… Tecnologias promissoras pararam, incluindo carros autônomos, fazendo com que os evangelistas do Vale do Silício parecessem ingênuosHoje está surgindo uma aurora de otimismo tecnológico”, acrescenta o artigo.

Embora parte desse otimismo possa ser exagerado, nos anos vinte do século 20, foram realmente, uma década de crescimento econômico e prosperidade generalizada, enquanto os países se recuperavam da devastação do Mundo da época, pela Guerra Mundial e a pandemia de gripe espanhola, avanços tecnológicos como eletrificação, eletrodomésticos, produção em massa de carros e o advento da aviação comercial transformavam o comércio e as relações pelo mundo.. 

Embora parte desse otimismo possa ser exagerado, “há uma possibilidade realista de uma nova era de inovação que pode elevar os padrões de vida, especialmente se os governos ajudarem as novas tecnologias a florescer”.

Seguindo por fatos históricos, então, após a Segunda Guerra Mundial e o início da Guerra Fria, os governos das principais potencias expandiram significativamente seu apoio à P&D nos setores público e privado, tornando os Estados Unidos o líder em ciência, engenharia, medicina e outras disciplinas. O projeto para P&D na América do pós-guerra foi traçado pelo conselheiro científico Vannevar Bush, que em seu relatório de 1945, Science The Endless Frontier citou:

Novos conhecimentos podem ser obtidos apenas por meio de pesquisa científica”.

Conduzidas por universidades e laboratórios, a P&D ajudou no desenvolvimento de novos produtos pelo setor privado e de armas novas e aprimoradas pelo setor de defesa.

Uma das conquistas mais importantes do governo dos EUA foi a ARPANET, a infraestrutura digital lançada no final dos anos 1960 para aumentar a resiliência do país, que acabou se tornando a Internet. Sabe-se que nunca foi necessário testar a capacidade da Internet de manter os EUA funcionando após um ataque militar, mas 50 anos após o seu lançamento, a pandemia Covid-19 testou a capacidade da Internet de fortalecer a resiliência, quando sob ataque de uma ameaça global, – e ela passou com louvor.

Podemos, finalmente, esperar uma década de crescimento da produtividade?

Depois de crescer a uma taxa média anual de 2,8% entre 1947 e 1973, a produtividade dos EUA diminuiu significativamente, exceto pelo aumento de produtividade impulsionado pela Internet entre 1996 e 2004. Em particular, a produtividade cresceu a uma taxa anual média de 1,4% entre 2007 e 2019. No entanto, o The Economist cita três razões principais pelas quais essa grande estagnação pode estar finalmente terminando.

1. O primeiro é a enxurrada de descobertas recentes com potencial transformador, começando com a velocidade com que as vacinas Covid-19 foram produzidas.

Os humanos estão cada vez mais capazes de submeter a biologia à sua vontade, seja para tratar doenças, editar genes ou cultivar carne em um laboratório”.

A inteligência artificial também está vendo grandes avanços após décadas de promessas e exageros. A IA agora está sendo aplicada à visão, reconhecimento de fala, tradução de linguagem e outros recursos que não há muito tempo pareciam virtualmente impossíveis, mas agora estão se aproximando ou ultrapassando os níveis humanos de desempenho.  “Eventualmente, a biologia sintética, a inteligência artificial e a robótica poderiam superar como quase tudo é feito.

2. Outro motivo de otimismo é a rápida adoção de novas tecnologias.

Vimos dois anos de transformação digital em dois meses, … em um mundo de tudo remoto”,

enquanto as empresas se adaptavam para permanecer abertas para os negócios, disse o CEO da Microsoft, Satya Nadella, em abril de 2020. Durante anos, as empresas encontraram todos os tipos de razões para não abraçar a telemedicina, aprendizagem online, trabalho de casa, reuniões virtuais e outras aplicações digitais. Mas a pandemia agora acelerou as transformações tecnológicas que as instituições foram forçadas a fazer para ajudá-las a enfrentar a crise.

3. A terceira fonte de otimismo é o boom de investimentos em tecnologia. 

No segundo e terceiro trimestres de 2020, o setor privado não residencial da América gastou mais em computadores, software P&D do que em edifícios e equipamentos industriais pela primeira vez em mais de uma década.”

E, talvez o mais importante, depois de só diminuir nos últimos 40 anos, os gastos do governo em P&D começaram a aumentar nos Estados Unidos e nos 24 países da OCDE.

Os governos do mundo rico gastam atualmente, em média, pouco mais de 0,5% do PIB em P&D; alguns décimos a mais de um ponto percentual poderiam fazer uma grande diferença”,

observou um segundo artigo do The Economist sobre o caso de mais gastos do estado em P&D.

Em 2018, porém, o ano mais recente para o qual existem dados disponíveis, os números de 24 países da OCDE mostraram que os gastos do governo com P&D aumentaram saudáveis 3% em termos reais, após um período particularmente magro após a crise financeira.

De acordo com uma força-tarefa de 2019 sobre segurança nacional, o investimento dos EUA em P&D como porcentagem do PIB atingiu o pico de 1,86% em 1964, mas caiu de pouco mais de 1% em 1990 para 0,66% em 2016.

O governo Biden prometeu aumentar  seus orçamentos de P&D. Parte do motivo é a expectativa de que o aumento nos gastos com P&D impulsionará o crescimento econômico. Mas a competição com a China é outra ameaça. A China está fechando rapidamente a lacuna tecnológica dos EUA e investindo recursos significativos em tecnologias de ponta. Em 2030, a China pode muito bem ser o maior gastador mundial em P&D. Embora provavelmente não corresponda às capacidades dos EUA em todos os aspectos, espera-se que a China seja uma potência líder em tecnologias de ponta, incluindo IA, robótica, energia limpa, armazenamento de energia e redes celulares 5G.

Mas, contudo, não é certo que o aumento dos investimentos em P&D levem à maior produtividade e ao crescimento econômico.

Existem vozes que moderariam isso”, avisa The Economist.

O economista da Northwestern University, Robert Gordon, é uma das vozes mais proeminentes sobre o tema. Gordon argumenta que o rápido crescimento e aumento da renda per capita que experimentamos de 1870 a 1970 foi um episódio único na história da humanidade. A inovação está estagnada e pode muito bem haver pouca produtividade e crescimento econômico pelo resto deste século. 

Mudar do motor de combustão interna para motores elétricos para mover veículos é impressionante e necessário, mas não é o mesmo que passar do cavalo para o carro”, observa The Economist.

Outra preocupação é que os investimentos em P&D estão gerando retornos decrescentes. Em um artigo recente, As ideias estão ficando mais difíceis de encontrar?, economistas de Stanford e do MIT mostraram que, em uma ampla gama de setores, os esforços de pesquisa estão aumentando substancialmente, enquanto a produtividade da pesquisa está diminuindo drasticamente. Com base na análise empírica, o artigo descobriu que agora são necessários mais tempo e dinheiro do pesquisador para obter a mesma melhoria nos resultados de antes. No caso da Lei de Moore, a produtividade está diminuindo a uma taxa de cerca de 6,8% ao ano. O número de pesquisadores necessários para dobrar a densidade do chip hoje é 18 vezes maior do que o exigido no início dos anos 1970. Para os rendimentos agrícolas, o esforço de pesquisa aumentou por um fator de dois entre 1970 e 2007, enquanto a produtividade diminuiu por um fator de 4 no mesmo período, a uma taxa anual de 3,7%.

Além disso, enfatizar a P&D apoiada pelo governo ignora a natureza mutante da inovação na economia digital. Os avanços da inovação não se baseiam mais apenas na ciência e na tecnologia provenientes dos laboratórios de P&D, como foi o caso da maior parte da economia industrial do século XX. Cada vez mais, temos visto um novo tipo de inovação voltada para o mercado, cujo objetivo é criar experiências de usuário atraentes e intuitivas, novos modelos de negócios, plataformas altamente escaláveis e estratégias atraentes baseadas no mercado.

“O que importa para a economia não são as descobertas científicas ou as inovações na vanguarda da tecnologia, mas as pessoas e empresas de tecnologia que fazem uso generalizado – não artigos em periódicos de laboratório, mas coisas que melhoram amplamente o dia a dia e geram atividade econômica ao fazê-lo”, acrescenta o The Economist.

E não existe uma linha de produção simples que, alimentada por novos conhecimentos científicos, produza essa mudança tecnológica.

Embora o setor privado acabe por determinar quais inovações têm sucesso ou fracassam, os governos também têm um papel importante a desempenhar. Eles devem arcar com os riscos em mais projetos. O estado pode oferecer mais e melhores subsídios para P&D, como prêmios para a solução de problemas. O estado também tem uma grande influência sobre a rapidez com que as inovações se difundem pela economia … Se os governos enfrentarem o desafio, então um crescimento mais rápido e padrões de vida mais elevados estarão ao seu alcance, permitindo-lhes desafiar os pessimistas. A década de 2020 começou com um grito de dor, mas, com as políticas certas, a década ainda poderia rugir.

Conte aos amigos

Deixe uma resposta