28/08/2021

O mundo em 2040

Por wcalazans

A missão do National Intelligence Council (NIC) é liderar a integração da inteligência e o pensamento estratégico de longo prazo para diversas áreas, incluindo a Comunidade de Inteligência dos Estados Unidos, políticos e especialistas nos setores acadêmico e privado. A cada quatro anos, o NIC desenvolve um relatório que examina as principais tendências e incertezas que moldarão o mundo nas próximas duas décadas. O objetivo é fornecer uma estrutura para avaliação de políticas estratégicas de longo prazo. O relatório Tendências Globais 2040 – Um Mundo Mais Contestado (GT2040), o último relatório do NIC, foi publicado em março de 2021, algumas semanas após a posse do presidente Joe Biden; e aborda os seguintes principais temas:

Durante o ano passado, a pandemia COVID-19 lembrou ao mundo sua fragilidade e demonstrou os riscos inerentes aos altos níveis de interdependência”,

observa o relatório em sua introdução, dado que temos vivido a mais significativa perturbação global desde a 2ª Guerra Mundial, o GT2040 mostra um quadro bastante preocupante sobre o que está por vir.

Nos próximos anos e décadas, o mundo enfrentará desafios globais intensos, que vão desde doenças a mudanças climáticas e interrupções decorrentes de novas tecnologias e crises financeiras. Esses desafios irão testar repetidamente a resiliência e adaptabilidade das comunidades, estados e do sistema internacional, muitas vezes excedendo a capacidade dos sistemas e modelos existentes. Este desequilíbrio iminente entre os desafios existentes e futuros e a capacidade das instituições e sistemas de responder a estas questões, provavelmente aumentará e produzirá maior contestação em todos os níveis”.

Como observou um editorial do NY Times, “Especialistas que leram esses relatórios disseram que não se lembram de nenhum mais sombrio”.

Cinco temas principais aparecem no relatório, que sustentam sua avaliação:

1. Desafios globais compartilhados.

Mudanças climáticas, doenças, crises financeiras e interrupções tecnológicas tendem a se manifestar com mais frequência e intensidade em quase todas as regiões e países e produzirão “tensões generalizadas sobre os estados e sociedades, bem como choques que podem ser catastróficos“.

2. Aumento da fragmentação.

Nosso ambiente de informações hiperconectadas, maior urbanização e interdependência global significam que a maioria dos aspectos da vida diária estará mais conectada do que nunca. “Paradoxalmente, à medida que o mundo se torna mais conectado … essa mesma conectividade divide e fragmenta pessoas e países.”

3. Desequilíbrio.

A escala dos desafios transnacionais e as implicações emergentes da fragmentação estão excedendo a capacidade dos sistemas e estruturas existentes. … O sistema internacional – incluindo as organizações, alianças, regras e normas – está mal configurado para lidar com os desafios globais crescentes que as populações enfrentam”.

4. Maior contestação.

Esse desequilíbrio maior levará ao aumento das tensões, divisões e competição entre sociedades, estados e a comunidade internacional. “No nível internacional, o ambiente geopolítico será mais competitivo – moldado pelo desafio da China aos Estados Unidos.

5. Adaptação.

As mudanças climáticas, por exemplo, forçarão quase todos os estados e sociedades a se adaptarem a um planeta mais quente.” Os países com populações envelhecidas enfrentam restrições ao crescimento econômico e terão que aumentar a automação e a imigração. A IA e outras tecnologias serão os principais caminhos para aumentar a produtividade.

Forças estruturais: definindo os parâmetros

O GT2040 explora as forças estruturais que moldarão as próximas duas décadas em quatro áreas principais:

  • Demografia,
  • Meio ambiente,
  • Economia e
  • Tecnologia.

Selecionamos essas áreas porque são fundamentais para moldar a dinâmica futura e têm um escopo relativamente universal, e porque podemos oferecer projeções com um grau razoável de confiança com base nos dados e evidências disponíveis”, observa o relatório.

Demografia. Esperam-se grandes mudanças demográficas nos próximos 20 anos. As economias desenvolvidas na Europa e no Leste Asiático envelhecerão mais rapidamente e enfrentarão a contração populacional, o que afetará seu crescimento econômico. Em contraste, os países em desenvolvimento da América Latina, do Sul da Ásia, do Oriente Médio e do Norte da África têm a oportunidade de se beneficiar de suas maiores populações em idade produtiva, mas apenas se combinadas com melhorias na infraestrutura e nas habilidades.

As melhorias anteriores focavam no básico de saúde, educação e redução da pobreza, mas os próximos níveis de desenvolvimento são mais difíceis e enfrentarão os ventos contrários da pandemia COVID-19, crescimento econômico global potencialmente mais lento, envelhecimento da população e os efeitos do conflito e clima.

Ambiente. Os efeitos físicos da mudança climática provavelmente se intensificarão nas próximas duas décadas.

Tempestades, secas e inundações mais extremas; derretimento de geleiras e calotas polares; e o aumento do nível do mar acompanharão o aumento das temperaturas. O impacto cairá desproporcionalmente no mundo em desenvolvimento e nas regiões mais pobres e se cruzará com a degradação ambiental para criar novas vulnerabilidades e exacerbar os riscos existentes para a prosperidade econômica, alimentos, água, saúde e segurança energética.

Economia. O aumento da dívida nacional, um ambiente comercial mais complexo e fragmentado, uma mudança no comércio e novas interrupções no emprego provavelmente moldarão as condições dentro e entre os estados.

Muitos governos podem descobrir que reduziram a flexibilidade à medida que lidam com cargas de dívidas maiores, regras comerciais diversas e uma gama mais ampla de poderosos Estados e atores corporativos que exercem influência. … O crescimento da produtividade continua sendo uma variável chave; um aumento na taxa de crescimento poderia aliviar muitos desafios econômicos, de desenvolvimento humano e outros.

Tecnologia. A tecnologia tem o potencial de ajudar a enfrentar as mudanças climáticas, a saúde pública e outras áreas desafiadoras, mas também pode eliminar empregos, especialmente para aqueles com menos educação e habilidades comercializáveis, levando ao aumento do desemprego e da desigualdade.

Durante as próximas duas décadas, o ritmo e o alcance dos desenvolvimentos tecnológicos provavelmente aumentarão cada vez mais rápido, transformando uma gama de experiências e capacidades humanas, ao mesmo tempo que cria novas tensões e rupturas dentro e entre sociedades, indústrias e estados.”

2040: o futuro em meio à incerteza

As respostas humanas a esses desafios globais determinarão como o mundo evoluirá nas próximas duas décadas. Para entender melhor como esse futuro altamente incerto pode se desenrolar, o GT2040 explorou as respostas a três questões principais:

  • Quão severos são os desafios globais que se aproximam?;
  • Como os atores estatais e não estatais se envolvem no mundo, incluindo o foco e o tipo de engajamento?; e
  • O que os estados priorizam para o futuro?

Essas perguntas ajudaram a identificar cinco cenários plausíveis e distintos de como o mundo poderia ser em 2040.

Vou concluir este post falando brevemente cada um desses mundos alternativos.

Renascimento das Democracias. Nesse cenário otimista, o mundo experimentará um ressurgimento de democracias abertas, lideradas pelos EUA e seus aliados.

Os rápidos avanços tecnológicos promovidos por parcerias público-privadas nos Estados Unidos e outras sociedades democráticas transformam a economia global, aumentando a renda e melhorando a qualidade de vida de milhões em todo o mundo. A maré de crescimento econômico e conquistas tecnológicas permite respostas aos desafios globais, alivia as divisões sociais e renova a confiança do público nas instituições democráticas.”

Um mundo à deriva. Nesse cenário pessimista, a economia mundial está sem rumo, caótica e volátil. As regras internacionais são amplamente ignoradas por grandes potências como a China e seus parceiros regionais. Os países da OCDE sofrem, com um crescimento econômico lento, com divisões sociais cada vez maiores e com paralisia política. Muitos desafios globais, como mudança climática e instabilidade nos países em desenvolvimento, em grande parte não serão enfrentados.

Coexistência Competitiva.

Os Estados Unidos e a China priorizaram o crescimento econômico e restauram uma relação comercial robusta, mas essa interdependência econômica existe ao lado da competição por influência política, modelos de governança, domínio tecnológico e vantagem estratégica. O risco de uma grande guerra é baixo, e a cooperação internacional e a inovação tecnológica tornam os problemas globais administráveis, no curto prazo para as economias avançadas, mas os desafios climáticos de longo prazo permanecem.”

Silos separados. O mundo se fragmenta em blocos econômicos e força, inclusive, os EUA, China, União Europeia, Rússia e algumas potências regionais, a focar em sua própria autossuficiência, resiliência e defesa.

Os países em desenvolvimento vulneráveis, são apanhados em meio aos blocos/silos, com alguns, prestes a se tornarem Estados falidos. Os problemas globais, principalmente a mudança climática, são tratados de maneira irregular”.

Tragédia e mobilização. Nesse último cenário, os eventos climáticos e a degradação ambiental levaram a uma catástrofe global de alimentos. Uma coalizão global de países, organizações não governamentais (ONGs) e instituições multilaterais está tentando implementar mudanças de longo alcance para abordar a mudança climática, bem como o esgotamento de recursos e pobreza generalizada.

Os países mais ricos mudam para ajudar os mais pobres a administrar a crise e, em seguida, fazem a transição para economias de baixo carbono por meio de amplos programas de ajuda e transferências de tecnologias avançadas de energia, reconhecendo a rapidez com que esses desafios globais se espalham além das fronteiras.”

E o relatório GT2040 é encerrado com essas palavras: “essa análise foi conduzida com humildade, sabendo que invariavelmente o futuro se desdobrará de maneiras que não havíamos previsto. O objetivo não é oferecer uma previsão específica do mundo em 2040; em vez disso, nossa intenção é ajudar os formuladores de políticas e os cidadãos a ver o que pode estar além do horizonte e a se preparar para uma série de futuros possíveis.

Conte aos amigos