02/08/2021

Banco Central & Moedas Digitais

Por wcalazans

O Bitcoin foi criado em outubro de 2008, com o lançamento do A Peer-to-Peer Electronic Cash System, e deu origem também ao design da arquitetura que introduziu o blockchain. Uma década depois, o The Economist publicou uma avaliação do Bitcoin que concluiu que “o Bitcoin e outras criptomoedas são inúteis”.

“O Bitcoin, a primeira e ainda a mais popular criptomoeda, começou como um projeto tecno-anarquista para criar uma versão online do dinheiro, uma forma de as pessoas fazerem transações sem a possibilidade de interferência de governos ou bancos”, e ainda argumentou:

Uma década depois, quase não é usado para o fim a que se destina. Os usuários devem lutar com softwares complicados e desistir de todas as proteções do consumidor a que estão acostumados. Poucos o aceitam. A segurança é fraca. Outras criptomoedas são usadas ainda menos.

Mas, na edição de 8 de maio o The Economist mudou sua avaliação das moedas digitais, quando avaliou as iniciativas do banco central (CBDCs), – ou seja, e-dollars, e-yuans ou e-euros, – que chamou de “As  moedas digitais que importam.”

O Bitcoin deixou de ser uma obsessão anarquistas para se tornar uma classe de ativos de US$ 1 trilhão, que muitos gestores de fundos insistem que vale o investimento, a qualquer carteira equilibrada.  …No entanto, como nosso relatório explica, a interrupção menos notada na fronteira entre tecnologia e finanças, pode acabar sendo a mais revolucionária: a criação de moedas digitais governamentais, que normalmente visam permitir que as pessoas depositem fundos diretamente em um banco central, contornando  credores convencionais. Esses govcoins são uma nova encarnação do dinheiro.  Eles prometem fazer as finanças funcionarem melhor, mas também transferir o poder dos indivíduos para o estado, alterar a geopolítica e mudar a forma como o capital é alocado. Eles devem ser tratados com otimismo e humildade.”

Alguns pontos do relatório:

  • Mais de 50 governos estão explorando moedas digitais.  Em outubro de 2020, o Banco Central das Bahamas emitiu o dólar da areia digital, o primeiro CBDC implantado no país. O dólar de areia tem o mesmo valor e proteção ao consumidor que o dólar tradicional das Bahamas, para o qual pode ser convertido instantaneamente. As Bahamas também introduziram o cartão pré-pago, Sand Dollar, em colaboração com a Mastercard, que pode ser usado para pagar mercadorias e serviços em qualquer lugar onde o Mastercard seja aceito.
  • A China tem um grande projeto piloto de e-yuan em andamento.  Mais de 500.000 indivíduos receberam 200 yuans (US$ 30) do governo, que podem usar para pagar bens e serviços usando uma carteira digital de e-yuans oferecida por seis bancos comerciais. Legalmente, os e-yuans são tão reais quanto o dinheiro vivo tradicional.
  • Algumas semanas atrás, o US Digital Dollar Project anunciou que lançará pelo menos cinco programas nos próximos 12 meses para explorar os usos e designs de um dólar eletrônico dos EUA.
  • O Banco Central Europeu está trabalhando no conceito de euro digital através da realização de experiências práticas e do envolvimento com as partes interessadas e o público em geral.
  • Em abril, o Banco da Inglaterra anunciou a criação de uma força-tarefa para coordenar a exploração de um potencial CBDC do Reino Unido.
  • O Brasil também já sinaliza que deverá ter moeda digital emitida pelo Banco Central

Por que governos e bancos centrais planejam emitir moedas digitais?

A principal motivação é a promessa de um sistema financeiro mais eficiente.  De acordo com The Economist, as despesas operacionais do setor financeiro global chegam a mais de US$ 350 por ano para cada pessoa do planeta. As moedas eletrônicas do governo poderiam fornecer um hub central de pagamento mais barato, que tornaria o financiamento mais acessível, especialmente para 1,7 bilhão de pessoas em todo o mundo que não têm conta bancária. As moedas eletrônicas permitiriam pagamentos diretos a todos os cidadãos que recebem fundos do governo, como previdência social, seguro-desemprego, ajuda financeira para famílias de baixa renda ou alívio econômico durante uma crise como a Covid-19.

Outra motivação importante é “o medo de perder o controle” para bitcoin, ether e outras moedas virtuais, bem como para moedas digitais privadas como Ripple’s XRP ou Facebook’s Diem, anteriormente conhecido como Libra. 

Redes privadas não supervisionadas podem se tornar um Velho Oeste de fraudes e abusos de privacidade. Para usuários comuns, o apelo de um meio de pagamento universal gratuito, seguro, instantâneo e universal é óbvio.  … A dura verdade é que as autoridades monetárias há muito se sentem desconfortáveis com as fraquezas dos bancos. Isso inclui a parcela de pessoas sem banco, mesmo nos países ricos, os altos custos dos métodos de pagamento e o custo excessivo das transações internacionais (que correm as remessas para os países mais pobres). O apelo de um sistema mais barato e contínuo acelerou projetos de pagamento mais rápidos em todo o mundo.

O surgimento de CBDCs poderia ameaçar o sistema bancário tradicional?

Os bancos privados fornecem serviços financeiros a indivíduos e empresas através da coleta de depósitos, mantendo na reserva uma fração desses depósitos e emprestando o restante. Na América, cerca de 90% do dinheiro está em depósitos de bancos privados.

Em outras economias, a participação é maior: 91% na área do euro, 93% no Japão e 97% na Grã-Bretanha.

A ideia de um banco central fornecer um aplicativo de carteira e dinheiro digital diretamente aos cidadãos é porque ele representa uma força verdadeiramente disruptiva – motivo pelo qual os bancos centrais estão adotando uma abordagem cautelosa.  Se os cidadãos puderem converter depósitos bancários em CBDCs com um simples furto, isso pode acabar desintermediando os sistemas bancários, atraindo uma grande parte dos depósitos correntes.  Os bancos seriam forçados a encontrar outras fontes de financiamento para seus empréstimos, ou outras instituições teriam que fazer os empréstimos que alimentam a criação de empresas, o mercado imobiliário e o crescimento econômico.

Além disso, em vez de proteger as instituições financeiras sendo o credor de último recurso, as contas do banco central podem na verdade levar a corridas a bancos privados. A confiança no sistema financeiro é sustentada pelas expectativas das pessoas de que sempre podem transferir seus ativos em dinheiro, – a forma mais segura de dinheiro. Em uma crise, muitos podem optar por transferir seu dinheiro para a segurança do dinheiro eletrônico em uma conta no banco central.

Devemos nos preocupar com o potencial uso indevido de CBDCs por um governo para controlar seus cidadãos?

Pense, por exemplo, em multas eletrônicas instantâneas para punir cidadãos por comportamentos reprovados pelo Estado.

O dinheiro não é rastreável, mas o dinheiro digital deixa um rastro”, observa The Economist. “Dinheiro exclusivamente digital pode ser programado, restringindo seu uso. Isso tem implicações benignas: os beneficios podem ser mais bem direcionado ou os gastos podem ser mais bem controlados e eficazes. Mas também há problemas: o dinheiro digital pode ser programado para impedir que seja usado para pagar abortos ou comprar livros no exterior.”

No entanto, deve haver maneiras de minimizar cada um desses problemas. A melhor defesa contra a disseminação prejudicial da influência do estado sobre as decisões de empréstimo é manter vivo o atual sistema de reservas fracionárias.  Isso pode significar restringir o escopo dos cbdcs e gerenciá-los à distância do banco central – talvez por meio de terceiros. Eles não devem pagar juros e o valor de seus saldos talvez deva ser limitado. Os CBDCs podem empoderar os autoritários, mas em países democráticos geralmente há separação adequada de poderes dentro do governo para impedir isso.”

Os governos e as empresas financeiras precisam se preparar para uma mudança de longo prazo, na forma como o dinheiro funciona, tão importante quanto o salto para moedas metálicas ou cartões de pagamento”, conclui o The Economist. “Isso significa fortalecer as leis de privacidade, reformar a forma como os bancos centrais são administrados e preparar os bancos de varejo para um papel mais periférico. Moedas digitais estatais são o próximo grande experimento em finanças e prometem ter muito mais consequências do que o humilde caixa eletrônico.”

Conte aos amigos