A computação em nuvem

Em 2008 tive meus primeiros contatos com a computação em nuvem, que para mim, chegava como uma promessa de revolução e, já naquela época a maioria das pessoas concordavam que algo muito grande e profundo estava acontecendo; porém, como é comum ao ser humano, alguns outros diziam “ainda não existe um consenso de utilização prática e real sobre o que é a computação em nuvem”.

Algum tempo depois, lembro de ver no The Economist uma reportagem especial sobre computação em nuvem com vários artigos sobre o assunto. No artigo principal, o editor de tecnologia Ludwig Siegele falou sobre a sua definição de computação em nuvem, apresentando um contexto sobre a história da computação:

No início, os computadores eram humanos. Em seguida, eles tomaram a forma de caixas de metal, enchendo salas inteiras antes de se tornarem cada vez menores e mais distribuídos. Agora eles estão evaporando completamente e se tornando acessíveis de qualquer lugar. A computação muda constantemente de forma e localização – principalmente como resultado de novas tecnologias, mas muitas vezes também por causa de mudanças na demanda. Agora, … está se transformando no que veio a ser chamado de “nuvem”, ou coleções de nuvens. O poder de computação ficará cada vez mais distribuído e será consumido onde e quando for necessário.”

Uma das principais razões por eu ter guardado o link desta publicação desde aquela época, foi a questão do entusiasmo e a contrapartida sobre a falta de consenso sobre o quê é a nuvem; naquela época, estávamos basicamente vendo o surgimento de um novo modelo de computação no mundo da TI.

Em cerca de sessenta anos, da história da computação moderna, desde que houve um setor de TI, a nuvem é apenas o terceiro modelo de computação.

Primeiro veio a computação centralizada no início dos anos 60 e 70, seguida pelo modelo cliente-servidor distribuído nos anos 80. É difícil ainda falar sobre uma definição simples de computação em nuvem, porque não há uma dimensão única em torno da qual se possa definir um modelo de computação. É como a fábula dos cegos e do elefante. Cada um toca uma parte diferente do elefante. Então cada cego comenta o que sentiu, através do toque e descobrem que estão em total desacordo.

Nos últimos doze anos, a nuvem passou por três estágios principais: primeiro, veio a infraestrutura como serviço (IaaS) principalmente baseada em nuvens públicas; em seguida, vieram as construções de aplicativos baseados em nuvem, como contêineres, Kubernetes e microsserviços; mais recentemente, vimos o surgimento de nuvens híbridas, incluindo uma variedade de ambientes de nuvem públicas e locais e aplicativos nativos da nuvem.

Qual é o estado atual da computação em nuvem?

A necessidade de velocidade e agilidade superiores continua a empurrar as empresas para a adoção da nuvem”,

disse um artigo recente da McKinsey, Desmascarando mitos sobre a nuvem. Mas, embora haja um forte desejo de adotar tecnologias e serviços de nuvem de forma agressiva, os números reais de adoção ainda estão abaixo das expectativas.

Na maior parte, esse atraso na adoção da nuvem não decorre de uma falta de ambição. Muitos líderes de empresas encontraram obstáculos importantes em seu caminho em direção à nuvem ou ficaram indiferentes ao questionar seu impacto nos custos, segurança, latência e outros. Conversas com centenas de CEOs e CIOs revelaram um conjunto consistente de mitos que levam a esses obstáculos e perguntas, dificultando o progresso e a adoção. As empresas que efetivamente neutralizaram esses mitos são as que obtiveram as maiores recompensas de sua mudança para a nuvem.”

Deixe-me resumir os mitos e a realidade sobre as nuvens.

1. O principal valor da nuvem é a redução de custos de TI. Na verdade, os principais benefícios da nuvem para os negócios são: tempo mais rápido de lançamento no mercado, inovação e escalabilidade; que geram contribuições incrementais maiores do que reduções de custos.

2. Os custos da nuvem são mais altos do que a computação on premise. Os benefícios de custo da nuvem incluem um modelo de recursos compartilhados, pagando apenas pelos recursos realmente usados e escalonamento automático. Esses benefícios aumentam quando as cargas de trabalho são otimizadas para nuvem.

3. A segurança dos data centers on primise é superior à segurança na nuvem. Os provedores de serviços em nuvem (Cloud Sesrvices Providers) investiram bilhões em segurança na nuvem, contrataram milhares dos melhores especialistas e desenvolveram uma série de novas ferramentas e métodos. Quase todas as violações na nuvem são culpa dos usuários, não dos CSPs.

4. Os aplicativos sofrem latências nas redes do CSP. A latência geralmente é o resultado do roteamento do acesso a redes em nuvem por meio de data centers on primise, em uma tentativa de melhorar a segurança. Com a experiência e a assistência de CSPs, os departamentos de TI podem resolver esses problemas.

5. Mudar para a nuvem elimina a necessidade de organizar a infraestrutura. Embora diferente e geralmente menor, a organização interna de TI tem a responsabilidade geral de definir e gerenciar as arquiteturas, serviços e plataforma de nuvem usados por suas equipes de desenvolvimento. Portanto há de se convir que sua empresa precisa manter um board de especialistas que possam reger as questões mais importantes e críticas para o negócio.

6. A maneira mais eficaz de fazer a transição para a nuvem é se concentrar nos aplicativos ou em data centers on primises. As organizações devem gerenciar a transição para a nuvem por domínios de negócios ou departamentos, começando com aqueles domínios que podem se beneficiar de um tempo de entrada no mercado mais rápido, com agilidade e escalabilidade. Gerenciar a transição por domínio de negócios é muito mais gerenciável do que tentar fazer a transição de um data center inteiro.

7. Para mudar para a nuvem, você deve elevar e mudar os aplicativos como eles são hoje ou refatorá-los inteiramente. As empresas não devem adotar uma estratégia de transição rápida e barata, nem uma otimização demorada e cara de uma carga de trabalho de aplicativo complexa. Em vez disso, elas devem adotar uma estratégia pragmática e incremental, aproveitando as vantagens de técnicas específicas que trazem os benefícios comerciais da nuvem para os aplicativos ao longo do tempo.

Outro artigo recente da McKinsey argumenta que as empresas devem aproveitar a nuvem para acelerar suas transformações digitais.

Apenas 14% das empresas que lançam transformações digitais viram melhorias de desempenho sustentadas e materiais. Por quê? Os recursos de execução de tecnologia geralmente não estão à altura da tarefa. Ambientes de tecnologia desatualizados tornam as mudanças caras. Os ciclos de lançamento trimestrais dificultam o ajuste dos recursos digitais às novas demandas do mercado. Infraestruturas rígidas e frágeis sufocam os dados necessários para análises sofisticadas.

Operar na nuvem pode reduzir ou eliminar muitos desses problemas. Explorar ferramentas e serviços em nuvem, no entanto, requer mudanças em toda a TI e também em muitas funções de negócios – na verdade, um modelo de tecnologia de negócios diferente”.

O artigo recomenda três mudanças importantes para alavancar a nuvem e permitir transformações digitais:

1. Concentrar-se nos domínios de negócios onde os benefícios dos investimentos em nuvem são mais importantes. Esses benefícios incluem:

  • Tempo de entrada mais rápido no mercado: “Empresas nativas da nuvem podem lançar código em produção centenas ou milhares de vezes por dia usando automação ponta a ponta”;
  • Oferta de negócios inovadora: “Cada um dos principais provedores de serviços em nuvem oferece centenas de serviços e mercados nativos … e fornece acesso a ecossistemas de terceiros com outros milhares”; e
  • Escalabilidade eficiente: “A nuvem permite que as empresas adicionem capacidade automaticamente para atender ao aumento da demanda … e escalar novos serviços em segundos, em vez das semanas que podem levar para adquirir servidores locais adicionais.”

2. Selecione um modelo de tecnologia e sourcing que se alinhe à estratégia de negócios e às restrições de risco. “As decisões sobre arquitetura e sourcing em nuvem trazem implicações significativas de risco e custo – da ordem de centenas de milhões de dólares para grandes empresas. … A tecnologia certa e as decisões de origem não apenas combinam com o apetite de risco da empresa, mas também podem ‘dobrar a curva’ nos custos de adoção da nuvem.” Essas decisões incluem onde usar diferentes opções “como serviço”; como migrar e redesenhar aplicativos e cargas de trabalho existentes; e quantos provedores de serviços de nuvem envolver.

3. Desenvolva e implemente modelos operacionais para capturar o valor da nuvem. “Capturar o valor da migração para a nuvem requer mudanças em como a TI funciona e como a TI trabalha com os negócios.” Essas mudanças incluem a mudança de serviços e projetos de TI para produtos de TI; redesenhar os processos de entrega de tecnologia de ponta a ponta; integração da nuvem com as operações e gestão do negócio; garantir que os projetos de nuvem sejam totalmente definidos e incorporados como software; e impulsionar habilidades de nuvem em todas as equipes de desenvolvimento.

Conte aos amigos

Deixe uma resposta